Cancelaram a velhice

a Terceira Idade enquadrada na lógica da Cultura do Cancelamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2605

Palavras-chave:

Envelhecimento Ativo, Moralidades, Redes Sociais, Cultura do Cancelamento

Resumo

Este artigo propõe um paralelo entre a Cultura do Cancelamento e os mecanismos de comparação social, vigilância e exclusão mapeados durante etnografia conduzida com idosos de um bairro de classe média em São Paulo. Observou-se que as redes sociais viabilizam a performance do idoso ativo, saudável e produtivo em conformidade com a autonomia construída como moralmente desejável e condicionante do status de Terceira Idade. Essa performance funciona como lastro e possibilita o ocultamento de declínios do corpo e sinais de dependências e ociosidade, cujo flagrante promoveria o cancelamento desse status e a reclassificação do idoso na Quarta Idade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Duque, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Doutora em Comunicação e Práticas do Consumo pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas do Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo. Pesquisadora associada no MediaLab ESPM São Paulo e no projeto ASSA - Antropologia dos Smartphones e SmartAgeing na University College London.

Referências

ARENDT, H. The human condition. Chicago: University of Chicago Press, 1998.

BANERJEE, D. et al. Not a disease: a global call for action urging revision of the ICD-11 classification of old age. The Lancet Healthy Longevity, v. 2, n. 10, p. e610-e612, out. 2021.

BATISTA, M. P. P.; ALMEIDA, M. H. M. de; LANCMAN, S. Políticas públicas para a população idosa: uma revisão com ênfase nas ações de saúde. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 22, n. 3, p. 200-207, dez. 2011.

BEAUVOIR, S. de. A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.

BITTENCOURT, R. N. Moralidade Líquida, Lacração e Cultura do Cancelamento. Cadernos Zygmunt Bauman, v. 11, n. 27, p. 212-229, 2021.

BOURDIEU, P. Sociology in question. London, Thousand Oaks, Calif: Sage, 1993.

BRUNO, F. Máquinas de Ver, Modos de Ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2013.

CAMARANO, A. A. Introdução. In: ALCÂNTARA, A. de O. et al. (Eds.). Política nacional do idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro: Ipea, 2016, p. 51-62.

CARADEC, V. Sexagenários e Octogenários diante do envelhecimento do corpo. In: GOLDENBERG, M. (Ed.). Corpo, Envelhecimento e Felicidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014, p. 21-44.

CARR, N. K. How Can We End #CancelCulture—Tort Liability or Thumper t Liability or Thumper’s Rule? Catholic University Journal of Law and Technology, v. 28, n. 2, p. 133-146, 2020.

CARRASCOZA, J. A. Estratégias criativas da publicidade: consumo e narrativa publicitária. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.

CHEVALIER, M.; MAZZALOVO, G.; GALMAN, R. Pró-logo: marcas como fator de progresso. São Paulo: Panda Books, 2007.

COSTA, J. F. O vestígio e a aura: corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

DEBERT, G. G. A invenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 12, n. 34, p. 39-56, 1997.

______. O velho na propaganda. Cadernos Pagu, n. 21, p. 133-155, 2003.

______. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: FAPESP, 2012.

DEGNEN, C. Minding the gap: The construction of old age and oldness amongst peers. Journal of Aging Studies, v. 21, n. 1, p. 69-80, 2007.

DOMINGUES, I. Terrorismo de marca: publicidade, discurso e consumerismo político na rede. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2013.

DUQUE, M. Homo resiliens: moralidades e resistências da velhice mediada por smartphones em São Paulo. 2021. 397 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Consumo) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo, Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2021a.

__________ Performing healthy ageing through images: From broadcasting to silence. Global Media and China, v. 6, n. 3, p. 303-324, 2021b.

__________. Ageing with Smartphones in Urban Brazil: a work in progress. London: UCL Press, 2022.

ENVELHESCÊNCIA. Direção: Gabriel Martines. Produtora: Lado B Filmes. Brasil, 2015. 1 DVD (74 min).

FEATHERSTONE, M.; HEPWORTH, M. The Mask of Ageing and the Postmodern Life Course. In: FEATHERSTONE, M.; HEPWORTH, M.; TURNER, B. (Eds.). The Body: Social Process and Cultural Theory. London: SAGE Publications, 1991, p. 371-389.

______. Images of Ageing: Cultural Representations of Later Life. In: JOHNSON, M. L. et al. (Eds.). The Cambridge Handbook of Age and Ageing. [s.l.] Cambridge University Press, 2005. p. 354-362.

FONTENELLE, I. A. Cultura do consumo: fundamentos e formas contemporâneas. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2017.

GOFFMAN, E. Stigma: notes on the management of spoiled identity. [s.l.] Penguin, 1986.

______. The presentation of self in everyday life. New York: Doubleday, 1990.

GOLDENBERG, M. A bela velhice. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2013.

BEAUMONT, J. G.; KENEALY, P. M. Quality of life perceptions and social comparisons in healthy old age. Ageing and Society, v. 24, n. 5, p. 755-769, set. 2004.

HIGGS, P. et al. Not just old and sick – the ‘will to health’ in later life. Ageing and Society, v. 29, n. 5, p. 687-707, jul. 2009.

HOUAISS, A. et al. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

INOCÊNCIO, L.; REBOUÇAS, D. Já que é pra tombar, TOMBEI!: cultura do cancelamento, o tribunal da internet e representação de marcas nos memes do “close errado” de Karol Conká no BBB 21. Em: Anais VIII Seminário Internacional de Pesquisa em Mídia e Cotidiano. Online: 25 e 26 mar. 2021. Disponível em: <http://designnaleitura.net.br/8sipmc/files/gt4_080_18213.pdf>. Acesso em: 4 out. 2022.

LAMB, S. Interrogating Healthy/ Successful Aging: An Anthropologist’s Lens. Bulletin of the General Anthropology Division, v. 26, n. 2, p. 7-9, Fall 2019.

LASLETT, P. A fresh map of life: the emergence of the Third Age. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 1991.

LEIBING, A. The old lady from Ipanema: changing notions of old age in Brazil. Journal of Aging Studies, v. 19, n. 1, p. 15-31, fev. 2005.

MARINS, P. C. G. O Parque do Ibirapuera e a construção da identidade paulista. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, v. 6-7, n. 1, p. 9-36, 1999.

MARTINO, L. M. S. Comunicação & identidade: quem você pensa que é? São Paulo, Brasil: Paulus, 2010.

MORIN, E. O Método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MOURA, E. B. B. de. Bandeirantes do progresso: imagens do trabalho e do trabalhador na cidade em festa. São Paulo, 25 de janeiro de 1954. Revista Brasileira de História, v. 14, n. 28, p. 231-246, 1994.

OHLHEISER, A.; IZADI, E. A Step-by-step guide to why people can’t stop arguing about ‘Cancel Culture’. Washington Post, 18 set. 2019. Disponível em: <https://www.washingtonpost.com/arts-entertainment/2019/09/18/step-by-step-guide-why-people-cant-stop-arguing-about-cancel-culture/>. Acesso em: 5 out. 2022.

PADILLA, N. “Cancel Culture” should be cancelled. Bottom Line, 23 maio 2019. Disponível em: <https://thebottomline.as.ucsb.edu/2019/05/cancel-culture-should-be-cancelled.>. Acesso em: 4 out. 2022.

QUEIROZ, M. I. P. DE. Ufanismo paulista: vicissitudes de um imaginário. Revista USP, v. 0, n. 13, p. 78, 30 maio 1992.

ROWE, J. W.; KAHN, R. L. Successful Aging. The Gerontologist, v. 37, n. 4, p. 433-440, 1997.

RUFINO, M.; SEGURADO, R. Cultura do cancelamento: uma análise de Karol Conká no BBB 21. PragMATIZES, Ano 12, n. 12, p. 616-640, mar. 2022.

SAVATER, F. Ética para meu filho. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SHIRKY, C. A Cultura da Participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SILVA, A. C. G. et al. Discussões Conceituais Sobre a Cultura do Cancelamento. Journal of Research in Humanities and Social Science, v. 9, n. 7, p. 67-74, 2021.

SOARES, M. C. da V. C. Aspectos públicos e privados de escolhas alimentares em práticas virtuais de comunicação e consumo. In: PERES-NETO, L.; CORRAL, J. B. (Eds.). Éticas em Redes: políticas de privacidade e moralidades públicas. 2. ed. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2018. 254 p. 34-67.

UNITED NATIONS. Vienna International Plan of Action on Aging. New York: UN, 1983. Disponível em: <https://digitallibrary.un.org/record/170749?ln=en>. Acesso em: 4 out. 2022.

WHYTE, S. R. Epilogue. In: LAMB, S. (Ed.). Successful Aging as a Contemporary Obsession: Global Perspectives. Rutgers University Press, 2017. 256 p. 243-248.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Active Ageing: a policy framework. 2002. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/67215/WHO_NMH_NPH_02.8.pdf;jsessionid=9A418B629755E58207E0C0FF1D6531C6?sequence=1. Acesso em 23 nov. 2021.

______. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução: Suzana Gontijo. Brasília: Pan-Americana Saúde, 2005.

Downloads

Publicado

08-11-2022

Como Citar

Duque, marilia. (2022). Cancelaram a velhice: a Terceira Idade enquadrada na lógica da Cultura do Cancelamento. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2605

Edição

Seção

Ahead of Print