Games, experiência lúdica e cognição inventiva

complexidade e transdisciplinaridade na cultura digital

Palavras-chave: Interação humano-computador, Jogos, Cognição Inventiva, Transdisciplinaridade, Lúdico

Resumo

Este estudo argumenta que a experiência lúdica dos games tem o potencial de operar como chave de compreensão da cultura. A discussão teórica está organizada em duas seções. A primeira mostra como a interface gráfica do usuário inspirou-se nos games para tornar-se mais interativa e lúdica. A segunda ressalta que as práticas lúdicas se baseiam em teorias que descentram o humano. Trata-se de uma revisão de literatura, e, como resultado, evidencia-se a necessidade de uma abordagem teórica complexa e transdisciplinar para dialogar com a subjetividade e a cultura hoje.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Cristina Regis Martins de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Doutora em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora da Graduação e da Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Pós-doutora pelo Centro de Estudos do Século 21 (C21) da University of Wisconsin, Milwaukee, Estados Unidos da América (2019). Pesquisadora do CNPq e Procientista da Uerj/Faperj. É coordenadora do grupo de pesquisa Comunicação, Lúdico e Cognição da (CiberCog) e da Unidade de Desenvolvimento Tecnológico Laboratório de Mídias Digitais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 

Leticia Perani, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Adjunta do Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora. Tutora do Grupo de Educação Tutorial Interdisciplinar em Artes e Design/Jogos da UFJF (GET-Jogos/IAD). Pesquisadora do grupo de pesquisa Comunicação, Entretenimento e Cognição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Cibercog/Uerj).

Alessandra Maia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense. Professora substituta do departamento de Jornalismo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Pesquisadora de inovação do Laboratório de Mídias Digitais do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da  Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ÁVILA, Affonso. O lúdico e as projeções do mundo barroco I: uma linguagem a dos cortes, uma consciência a dos luces. São Paulo: Perspectiva, 1994.

BARDINI, Thierry. Bootstrapping: Douglas Engelhart, Coevolution, and the Origins of Personal Computing. Stanford: Stanford University Press, 2000.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: ______. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e a história da cultura. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOLTER, Jay D.; GROMALA, Diane. Windows and Mirrors: Interaction Design, Digital Arts and the Myth of Transparency. Cambridge: The MIT Press, 2003.

BOLTER, Jay D.; GRUSIN, Richard. Remediation: Understanding New Media. Cambridge: The MIT Press, 1998.

CALLOIS, Roger. Los Juegos y los Hombres: La Máscara y el Vértigo. México D.F.: Fondo de Cultura Económica, 1994.

CARROLL, John M. Introduction: Toward a Multidisciplinary Science of Human-Computer Interaction. In: CARROLL, John M. (Ed.). HCI Models, Theories, and Frameworks: Toward a Multidisciplinary Science. San Francisco: Morgan Kaufmann, 2003.

CARROLL, John M.; THOMAS, John C. Metaphor and the Cognitive Representation of Computing Systems. IEEE Transactions on Systems, Man, and Cybernetics, v. 12, n. 2, p. 107-116, Mar./Apr.1982.

CASA DA CIÊNCIA. Um planeta em ebulição. Disponível em: <http://www.casadaciencia.ufrj.br/exposicao/sensacoes/pages/exposicao.htm#ambiente>. Acesso em 12 jun. 2019.

CLARK, Andy. Mindware: An Introduction to the Philosophy of Cognitive Science. New York/Oxford: Oxford University Press, 2001.

D`AMARAL, Márcio Tavares. O homem sem fundamentos: sobre linguagem, sujeito e tempo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ / Editora Tempo Brasileiro, 1995.

DUPUY, Jean Pierre. Nas origens das ciências cognitivas. São Paulo: Unesp, 1996.

ERICKSON, Thomas D. Working with Interface Metaphors. In: LAUREL, Brenda (Org.). The Art of Human-Computer Interface Design. 10. ed. Reading: Addison-Wesley, 1996.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Estudos Culturais Ingleses. In: CITELLI, Adilson et al. (Org.). Dicionário de Comunicação: escolas, teorias e autores. São Paulo: Contexto, 2014. p. 248-256.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. 5. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FRANCO, José Carlos Messias Santos. “Saudações do Terceiro Mundo”: games customizados, gambiarra e habilidades cognitivas na cultura hacker. Tese. (Doutorado em Comunicação Social) - Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

GALLOWAY, Alexander R. The Interface Effect. Cambridge: Polity Press, 2012.

GEE, James Paul. A Situated Sociocultural Approach to Literacy and Technology. In: BAKER, E. A.; LEU, D. J. (Ed.). The New Literacies: Multiple Perspectives on Research and Practice. New York, NY: Guilford Press, 2010. p. 165-193.

GRUSIN, Richard. Prefácio. In: GRUSIN, Richard (Ed). The Nonhuman Turn. Minneapolis, London: University of Minnesota Press, 2015.

HARRISON, Steve et al. The Three Paradigms of HCI. Proceedings of ACM CHI 2007 Conference on Human Factors in Computing Systems. San Jose: ACM, 2007.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

ISER, Wolfgang. The Fictive and the Imaginary: Charting Literary Anthropology. Baltimore: John Hopkings University Press, 1993.

JOHNSON, Steven. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

______. A cognição contemporânea e a aprendizagem inventiva. In: KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia; PASSOS, Eduardo. Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2008.

KRACAUER, Siegfried. De Caligari a Hitler: uma história psicológica do cinema alemão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Philosophy in the Flash. Nova York: Basic Books, 1999.

LATOUR, B. Reassembling the Social: an Introduction to the Actor-Network-Theory. Oxford: Oxford University Press, 2005.

MALONE, Thomas W. Heuristics for Designing Enjoyable User Interfaces: Lessons from Computer Games. Proceedings of the 1982 Conference on Human Factors in Computer Systems. Gaithersburg: Association for Computing Machinery - ACM, 1982.

MANOVICH, Lev. The Language of New Media. Cambridge: The MIT Press, 2001.

______. Software Takes Command. New York: Bloomsbury Academic, 2013.

MONTFORT, Nick; BOGOST, Ian. Racing the Beam: the Atari Vídeo Computer System. Cambridge: The MIT Press, 2009.

MORIN, Edgar. O problema epistemológico da complexidade. Portugal: Europa-América, 1985.

NORMAN, Donald. Things That Make Us Smart. Cambridge: Perseus Books, 1993.

______. Design emocional: Porque adoramos (ou detestamos) os objetos do dia a dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

PANKSEPP, Jaak. Play, ADHD, and the Construction of the Social Brain: Should the First Class Each Day Be Recess?.American Journal of Play, v. 1, n.1, 2009.

PRIGOGINE, Ilya; STENGERS, Isabelle. A nova aliança: metamorfose da ciência. Brasília: Universidade de Brasília, 1991.

REGIS, Fátima; PERANI, Letícia. Comunicação e entretenimento na cibercultura: repensando as articulações entre lúdico, cognição e tecnologia. E-Compós, 13(2). https://doi.org/10.30962/ec.482, 2011.

SIMONDON, Gilbert. Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Aubier-Montaigne, 2008 [1958].

______. L’individuation psychique et colletive. Paris: Aubier, 1989.

SHNEIDERMAN, Ben. Direct manipulation: a step beyond programming languages. IEEE Computer, v. 16, n. 8 Aug. 1983.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987.

SMITH, David Canfield et al. The star user interface: an overview. Proceedings of the AFIPS '82. Houston: ACM, 1982.

SOARES, Letícia Perani. Interfaces gráficas e os seus elementos lúdicos: aproximações para um estudo comunicacional. Rio de Janeiro: UERJ, 2008. Dissertação de Mestrado.

SUTCLIFFE, Alistair. Human-Computer Interface Design. London: Springer Science+Business Media, 1989.

SUTHERLAND, Ivan Edward. Sketchpad: A Man-Machine Graphical Communication System. Cambridge: Cambridge University, 2003. 149p. Relatório Técnico.

TURKLE, Sherry. The Second Self: Computers and the Human Spirit (20th Anniversary Edition). Cambridge: The MIT Press, 2005.

VARELA, Francisco. Conhecer: as ciências cognitivas, tendências e perspectivas. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

______.; THOMPSON, Evan T.; ROSCH, Eleanor. A mente corpórea: ciência cognitiva e experiência humana. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

VENTURELLI, Suzete. Arte: espaço, tempo, imagem. Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

WHITEBREAD, David et al. Play, Cognition and Self-Regulation: What exactly are children learning when they learn through play? Educational & Child Psychology, v. 26, n. 2, p. 40-52, 2009.

WILCOX, Steve. Praxis Games: A Design Philosophy for Mobilizing Knowledge through Play. American Journal of Play, v. 11, n. 2, p. 156-182, 2019.

Publicado
28-06-2020
Como Citar
Oliveira, F. C. R. M. de, Perani, L., & Maia, A. (2020). Games, experiência lúdica e cognição inventiva. E-Compós, 23. https://doi.org/10.30962/ec.1870
Seção
Artigos Originais