Roleta interseccional

proposta metodológica para análises em Comunicação

Palavras-chave: Interseccionalidade., Comunicação, Metodologia, Feminismo

Resumo

Ao reconhecer a relevância do conceito de interseccionalidade como ferramenta metodológica no domínio do Direito, este artigo propõe articular e aprofundar sua valência nos estudos em Comunicação. O método interseccional em Comunicação carece de aparatos conceituais próprios, em diálogo com suas origens, para que não reduza sua capacidade analítica a estudos descritivos dos sujeitos, materialidades e suas estruturas. Intenta-se, aqui, portanto, construir um quadro metodológico, denominado “roleta interseccional”, admitindo que a observância das matrizes de opressão que atravessam os corpos e os sujeitos é fundamental para a compreensão dos efeitos comunicacionais por eles engendrados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Carrera, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense. Professora da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Vice-coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda - ECO/UFRJ. Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPgEM/UFRN). Líder do grupo de pesquisa LIDD - Laboratório de Identidades Digitais e Diversidade (UFRJ).

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

________________. Ó PaÍ, Prezada! Racismo e Sexismo Intitucionais tomando bonde no Conjunto Penal Feminino de Salvador. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em estudos de gênero, mulher e feminismo, Universidade Federal da Bahia. 2014

ANTHIAS, Floya. Transnational mobilities, migration research and intersectionality. Nordic Journal of Migration Research, v. 2, n. 2, p. 102-110, 2012.

ANZALDUA, Gloria. Borderlands/La Frontera. San Francisco: Spinsters/Aunt Lute Press, 1987.

BAGGA-GUPTA, Sangeeta. Privileging identity positions and multimodal communication in textual practices. Intersectionality and the (re) negotiation of boundaries. Literacy practices in transition: Perspectives from the Nordic countries, p. 75-100, 2012.

BARTHES, Roland. L’ancienne rhétorique. Aidemémoire. Communications, n. 16, p.172-223, 1970.

BENJAMIN, Ruha. Race after technology: Abolitionist tools for the new jim code. John Wiley & Sons, 2019.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 15-24, 2016.

BHABHA, Homi. A questão do `outro': diferença, discriminação e o discurso do colonialismo", in H.B.de Hollanda (org.), Pós-modernismo e política, Rio de Janeiro, Rocco, 1992

BORGES, Rosane. Mídia, racismos e outras formas de destituição: elementos para o reposicionamento do campo da comunicação. In: CORRÊA, Laura Guimarães (org). Vozes negras em Comunicação: Mídia, racismos, resistências, Belo Horizonte: Autêntica, 2019

BRAH, Avtar. Cartographies of diaspora: Contesting identities. Psychology Press, 1996.

BRANDÃO, Helena Hathsue Nagamine. Subjetividade, argumentação, polifonia: a propaganda da Petrobrás. 1998.

CALASANTI, Toni; KING, Neal. Intersectionality and age. Routledge handbook of cultural gerontology, p. 193-200, 2015.

CARBADO, Devon W. Colorblind intersectionality. Signs: Journal of Women in Culture and Society, v. 38, n. 4, p. 811-845, 2013.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

________________; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2004

CHOW, Yiu Fai. Moving, sensing intersectionality: A case study of Miss China Europe. Signs: Journal of Women in Culture and Society, v. 36, n. 2, p. 411-436, 2011.

CISNE, Mirla. Relações sociais de sexo, 'raça'/etnia e classe: uma análise feministamaterialista. Temporais, Brasília, ano 14, n. 28, jul./dez. 2014, pp. 133-149.

COLLINS, Patricia Hill. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo, v. 5, n. 1, p. 6-17, 2017.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. Routledge, 2002.

CORRÊA, Laura Guimarães. Empoderar pra quê? Corpos e cabelos das

mulheres negras na publicidade. In:LEITE, Francisco; BATISTA, Leandro Leonardo (orgs). Publicidade Antirracista: Reflexões, Caminhos e Desafios. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo–ECA USP, 2019.

CORRÊA, Laura Guimarães et al. Entre o interacional e o interseccional: Contribuições teórico-conceituais das intelectuais negras para pensar a comunicação. Revista ECO-Pós, v. 21, n. 3, p. 147-169, 2018.

COTTOM, Tressie McMillan. “Black Cyberfeminism: Intersectionality,

Institutions and Digital Sociology”. In: Digital Sociologies eds. Jessie Daniels, Karen

Gregory and Tressie McMillan Cottom. Bristol: Policy Press, 2016

CRAGIN, Becca. Beyond the feminine: Intersectionality and hybridity in talk shows. Women's Studies in Communication, v. 33, n. 2, p. 154-172, 2010.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

________________ . Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stan. L. Rev., v. 43, p. 1241, 1990.

________________. Demarginalizing the intersection of race and sex: A black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. u. Chi. Legal f., p. 139, 1989.

DAVIS, Angela Y. Women, Race, and Class. New York: Random House, 1981.

______________. As mulheres negras na construção de uma nova utopia. Geledés, São Paulo, v. 12, 2011.

DE SOUZA, Nelson Rosário; DRUMMOND, Daniela. Sexo e as negas: da ficção à realidade sob uma perspectiva interseccional. Esferas, v. 1, n. 10, 2018.

DELPHY, Christine. For a materialist feminism. Feminist issues, v. 1, n. 2, p. 69-76, 1981.

DOUGLAS, Mary. Implicit meanings: Selected essays in anthropology. Routledge, 2002.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. São Paulo: Pontes, 1987

FANON, Frantz. Black skin, white masks. London: Paladin, 1970.

FAUSTINO, Deivison Mendes. A emoção é negra, a razão é helênica? Considerações fanonianas sobre a (des) universalização do “Ser” negro. Revista Tecnologia e Sociedade, v. 9, n. 18, 2013.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. 3ª edição. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

FRANÇA, Vera Veiga. O objeto da comunicação/A comunicação como objeto. Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, p. 39-60, 2001.

GIACOMONI, M. P.; VARGAS, A. Z. Foucault, a Arqueologia do Saber e a Formação Discursiva. Rev. Online Veredas. Juiz de Fora, 2010, p. 119-129. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2010/04/artigo-09.pdf. Acesso em: 26/05/2020

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Vozes, 2012.

________________. Comportamento em lugares públicos: notas sobre a organização social dos ajuntamentos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

________________. The presentation of self in everyday life. 1959. Garden City, NY, v. 259, 2002.

GONZALEZ, Lélia. A Juventude Negra Brasileira. __________. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. São Paulo: Diáspora Africana, 2018.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 25-49, 2016.

HALL, Stuart. Quem precisa da Identidade? In.: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença, p. 103-133, 2009.

HANCOCK, Ange-Marie. When multiplication doesn't equal quick addition: Examining intersectionality as a research paradigm. Perspectives on politics, v. 5, n. 1, p. 63-79, 2007.

HINE, Christine. Virtual ethnography. Sage, 2000.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das

relações sociais. Tempo Social, v. 26, n. 1, jun. 2014, pp. 61-73.

HOOKS, Bell. Intelectuais negras. Estudos feministas, v. 3, n. 2, p. 464, 1995.

JORDAN, June. Technical Difficulties: African-American Notes on the State of the Union. New York: Pantheon Books, 1992.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estudos CEBRAP, n. 86, p. 93-103, 2010.

LOPES, Maria Immacolata V. Por um paradigma transdisciplinar para o campo da comunicação. Desafios da comunicação. Petrópolis: Vozes, 2001.

LORDE, Audre. Sister Outsider: Essays and Speeches (Trumansburg, NY. The Crossing Press, v. 44, p. 111, 1984.

MACHADO, Bárbara Araújo. Interseccionalidade, consubstancialidade e marxismo: debates teóricos e políticos. IN: Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas sobre Marx e o Marxismo (NIEP-Marx)(org). Anais do Colóquio Internacional Marx e o Marxismo, p. 1867-1917, 2017.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2001

MEAD, George H. Mind, self and Society. In: COSER, L.A., ROSEMBERG, B. (Eds.) Sociological theory: a book of readings. New York: Macmillam, 1969.

MELO, Iran F. Análise do Discurso e Análise Crítica do Discurso: desdobramentos e intersecções. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura Ano 05 n.11 - 2º Semestre de 2009

MENESES, Maria Paula. Epistemologias do sul. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 5-10, 2008.

NIELSEN, Carolyn. Moving mass communication scholarship beyond binaries: A call for intersectionality as theory and method. Media Report to Women, v. 39, n. 1, p. 6-22, 2011.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios & procedimentos. Pontes, 2012.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 4ª edição. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006, 68 páginas.

_________________. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Orlandi et al. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988

PINDERHUGHES, Dianne M. Intersectionality: Race and gender in the 2008 presidential nomination campaign. The Black Scholar, v. 38, n. 1, p. 47-54, 2008.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e cultura, v. 11, n. 2, 2008.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

RISAM, Roopika. Beyond the margins: Intersectionality and the digital humanities. DHQ: Digital Humanities Quarterly, Volume 9, Number 2, 2015.

SAGESSE, Gustavo SR et al. Marcadores sociais da diferença: gênero, sexualidade, raça e classe em perspectiva antropológica. São Paulo: Editora Gramma, 2018.

SALEM, Sara. Feminist critique and Islamic feminism: The question of intersectionality. The Postcolonialist, v. 1, n. 1, p. 1-8, 2013.

SHAW, Linda R.; CHAN, Fong; MCMAHON, Brian T. Intersectionality and disability harassment: The interactive effects of disability, race, age, and gender. Rehabilitation Counseling Bulletin, v. 55, n. 2, p. 82-91, 2012.

SODRÉ, Muniz. A ciência do comum: notas para o método comunicacional – Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Editora UFMG, 2010.

TAYLOR, Yvette; HINES, Sally; CASEY, Mark (Ed.). Theorizing intersectionality and sexuality. Springer, 2010.

YILDIZ-SPINEL, Melek. Telenovelas: Assessing Intersectionality in Spanish Media Kenyon Summer Science Scholars Program. Paper 210, 2013

Publicado
07-10-2020
Como Citar
Carrera, F. (2020). Roleta interseccional: proposta metodológica para análises em Comunicação. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2198
Seção
Ahead of Print