Real sex, real lives – excesso, desejo e as promessas do real

  • Mariana Baltar
Palavras-chave: Pornografia. Documentário. Excesso. Intimidade. Performance

Resumo

Este artigo reflete sobre os diálogos possíveis entre o documentário e a pornografia partindo da ideia de mobilização de desejos e saberes presentes em ambos os domínios. Nesse sentido, trabalharemos a noção de excesso como mobilizador de desejos de saber e de ver que se articulam na série Real People, Real Life, Real Sex do realizador Tony Comstock. Os filmes alternam as tradições do documentário e da pornografia numa promessa de apresentação ao olhar público da intimidade dos seus personagens, performada a partir de falas e números sexuais. Argumentamos que tais filmes estão consonantes com a moral contemporânea marcada por uma subjetividade alter-dirigida que se sustenta nas performances de fala e de sexo dirigidas ao olhar público do aparato cinematográfico. Nesse sentido, a ideia de um real associado ao excesso de visibilidade é reafirmada enquanto commodity e enquanto fonte de prazer visual e voyeurístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
09-03-2015
Como Citar
Baltar, M. (2015). Real sex, real lives – excesso, desejo e as promessas do real. E-Compós, 17(3). https://doi.org/10.30962/ec.1042
Seção
Artigos Originais