O comum como linguagem política

  • Antonio Claudio Engelke Menezes Teixeira
Palavras-chave: Commons, Trabalho Imaterial, Economia da Dádiva.

Resumo

Este artigo parte da contradição posta pela consolidação do trabalho imaterial: ao mesmo tempo em que é indispensável à expansão do capitalismo tardio, abre possibilidades de fuga aos seus ditames. Ao explorar o comum, o capital é infectado por ele, abrigando relações sociais que solapam a lógica economicista liberal e tornam-se foco de resistência à mercantilização das esferas da vida. Visto como uma linguagem política, o comum dá ensejo a um repertório de práticas e a um vocabulário que, ao recolocar o pensamento sobre nossos hábitos de criação e compartilhamento em um universo relacional, convida a uma ética da proximidade, oposta à ética da propriedade que jaz na base do Direito atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
24-12-2017
Como Citar
Engelke Menezes Teixeira, A. C. (2017). O comum como linguagem política. E-Compós, 20(3). https://doi.org/10.30962/ec.1352
Seção
Política