Do imperativo da avaliação: espelhos negros da contemporaneidade

  • Maria Cristina Franco Ferraz Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Black Mirror. Diagrama da avaliação. Filosofia nietzschiana.

Resumo

Resumo: Partindo da análise do primeiro episódio da terceira temporada da série Black Mirror (“Queda livre”), o artigo investiga a lógica de funcionamento do dispositivo da avaliação, atrelada às mídias sociais. Tematiza as tecnologias não como causa, mas em sua adequação a modos de vida atravessados pelo capitalismo financeirizado e pelo modelo empresarial. Remete ao “diagrama da avaliação” (José Gil), em seus mecanismos de exclusão nuançada, bem como às reflexões de Büttgen e Cassin acerca da avaliação de desempenho acadêmico. Por fim, distingue o diagrama da avaliação do sentido nietzschiano de avaliação, radicalmente diverso do “julgamento” de cunho moral, midiático e político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Franco Ferraz, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora Titular da ECO/UFRJ, Doutora em Filosofia pela Univ. de Paris I-Sorbonne, com 3 estágios pós-doutorais em Berlim, Mestre em Letras pela PUC-RJ, pesquisadora do CNPq.
Publicado
29-08-2018
Como Citar
Ferraz, M. C. F. (2018). Do imperativo da avaliação: espelhos negros da contemporaneidade. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.1551
Seção
Ahead of Print