Mecanismos da Disparidade Cognitiva em Narrativas Seriadas Televisivas

um exame de Billions

  • Benjamim Picado Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0002-8982-9231
  • Wanderley Anchieta Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
Palavras-chave: narrativa seriada, disparidade cognitiva, focalização narrativa, Billions

Resumo

Avaliamos a lógica textual da construção narrativa em seriados televisivos, partindo de vertentes cognitivistas da narratologia - especialmente aquelas situadas no estudo de universos audiovisuais. Na base das relações entre a gestão textual da intriga e os níveis de cognição sobre a fábula na recepção, analisaremos a evolução dos atos dramáticos de um episódio da 2a temporada da obra Billions - cuja coerência semântica segrega-se em partes nucleares ou “quadros mentais” de referência, produzidos pela exposição da trama. Indagaremos a seguir sobre a construção dos efeitos de “surpresa”, sustentados pela noção de “disparidade cognitiva”, elaborada originalmente por Edward Branigan.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Benjamim Picado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor do Departamento de Estudos Culturais e Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense.

Wanderley Anchieta, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense. Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, onde pesquisa as relações entre a gestão da atenção e a disparidade cognitiva em produtos seriados de ficção televisiva.

Referências

ANCHIETA , W. Limites da Experiência Estética: cores e cinema narrativo. In: Significação, São Paulo, 51, p. 190-208, 2019.

_____________. e PILZ, J.. O colorido de Breaking Bad: excessos narrativos e seus efeitos nas interpretações dos fãs. In: Aniki : Revista Portuguesa da Imagem em Movimento, Lisboa, 6, fev. 2019. Disponível em:

<http://aim.org.pt/ojs/index.php/revista/article/view/448>. Acesso em: 12 Fev. 2019.

BAE, B.; YOUNG, R. M. Suspense? Surprise! or How to Generate Stories with Surprise Endings by Exploiting the Disparity of Knowledge between a Story’s Reader and Its Characters. In: IURGEL, I.A.; ZAGALO, N.; PETTA, P. (orgs.). Interactive Storytelling. 1.ed. Berlin, Springer, 2009, p. 304-307.

BAL, M. The Laughing Mice, or: on focalization. In: Poetics Today, Durham: Duke University Press. Vol. 2, number 2, Winter, 1981: pp. 202-210.

BARONI, R. La Tension Narrative: suspense, curiosité et surprise, 1. ed. Paris: Seuil, 2007.

BARONI, R. e JOST, F. (orgs.) Répenser le récit avec les series televises, In: Télévision, 7, 2016;

BARTHES, R. L’Aventure Sémiologique, 1.ed. Paris: Seuil, 1991.

BENVENISTE, E. Problèmes de Linguistique Générale, vols. 1 e 2. Paris: Gallimard, 1966, 1980.

BOOTH, W. The Rhetoric of Fiction. 1.ed. Chicago, University of Chicago Press, 1961.

BORDWELL, D. Narration in the fiction film, 1.ed. Wisconsin, The University of Wisconsin Press, 1985.

______________. Making Meaning: inference and rhetoric in the interpretation of cinema. 1.ed. Cambridge, Harvard University Press, 1989.

______________. The Poetics of Cinema. 1.ed. London, Routledge, 2007.

BRANIGAN, E. Point of View in the Cinema. 1.ed. Berlin: Gruyter, 1984.

____________. Narrative Comprehension and Film. 1.ed. New York, Routledge, 1992.

____________. Projecting a camera: language-games in film theory. 1.ed. New York, Routledge, 2006.

BUTLER, J. Television Style. New York: Routledge, 2013.

CARROLL, N. Theorizing the Moving Image. 1.ed. Cambridge, Cambridge University Press, 1996.

ECO, U. Lector in Fabula. 1.ed. Milano, Bompiani, 1979.

GENETTE, G. Discours du Récit. 1.ed. Paris, Seuil, 1972.

GOMES, W. Princípios de Poética (com ênfase na poética do cinema). In, PEREIRA, Miguel; LOPES, Renato Cordeiro; FIGUEIREDO, Vera Lucia Follain (eds.): Comunicação, Representação e Práticas Sociais, 1.ed. Rio de Janeiro, PUC-RJ, 2004, p. 93-125.

INGARDEN, R. The Literary Work of Art. 1.ed. Evanston, Northwestern University Press, 1973.

ISER, W. The Act of Reading. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1978;

ISER, W. O Ato da Leitura: uma teoria do efeito estético (trad. Johannes Kretschmer). 1.ed. São Paulo: Editora 34, 1999.

HEIDEGGER, M. Vorträge und Ausätze. 1.ed. Frankfurt an Mein, Vittorio Klostermann, 1954.

MACHADO, A. A Televisão Levada a Sério. São Paulo, SENAC, 1 ed., 2000.

MITTELL, J. Narrative complexity in contemporary American television. In: The Velvet Light Trap, Austin, 58, p. 29, 40, 2006.

__________. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea (trad. Andrea Limberto). In: Matrizes. São Paulo. 58, p. 29-52, Janeiro/Junho, 2012.

__________. Complex TV: the poetics of television storytelling. 1.ed. New York, NYU Press, 2015.

MUNGIOLI, M.C.P. Poética das Séries de Televisão: elementos para conceituação e análise. In: Anais do 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2017. Disponível em: < http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-2621-1.pdf >. Acesso em 01.10.19.

NEWMAN, M.N. From Beats to Arcs: towards a poetics of television narrative. In: The Velvet Light Trap. Austin, 58, p. 16-28, Fall, 2006.

PEACOCK, S. and JACOBS (orgs.). Television Style and Aesthetics. London: Bloombury, 2013. PICADO, B. Materialidades e Tecnologias da Comunicação: um falso início para o que há de comunicacional na experiência estética . In: Comunicação e Sensibilidade: pistas metodológicas (Carlos Magno Medonça, Eduardo Duarte, Jorge Cardoso Filho, orgs.). Belo Horizonte: PPGCOM/UFMG, 2016: pp. 117-136.

__________. Encenação e Aspecto: inflexões estilísticas na mise-en-scène da obra seriada televisiva de Aaron Sorkin. In: ANIKI: Revista Portuguesa da Imagem em Movimento, Lisboa, 6/1, p. 81-105, 2019.

__________. e SOUZA, M.C.J. Dimensões da autoria e do estilo na ficção seriada televisiva. In: Matrizes, São Paulo, 12/2, p. 53-77, 2018.

PLANTINGA, Carl. Moving Viewers: American Film and the Spectator’s Experience. Berkeley. 1.ed. University of California Press, 2009.

PUCCI Jr., R. e MONTEIRO, M. A elaboração audiovisual como fator para manter a atenção em cenas complexas de Dr. House. In: Anais do XXVI Encontro Annual da COMPóS, São Paulo: Faculdade Casper Libero, 2017. Disponível em : <http://www.compos.org.br/data/arquivos_2017/trabalhos_arquivo_5429H2UMVL8CHYV4753W_26_5590_19_02_2017_10_46_26.pdf >. Acesso em 30/10/2019.

ROCHA, S.M. O Estilo Televisivo e sua Pertinência para a TV como Prática Cultural. Florianópolis: Insular, 2016.

SCAHEFFER, J.M. L’Expérience Esthétique. 1.ed. Paris, Gallimard, 2015;

SILVA, M.V.B. Origem do drama seriado contemporâneo. In: Anais do XXIII Encontro Anual da COMPóS, Belém: Universidade Federal do Pará, 2014. Disponível em : <http://www.compos.org.br/biblioteca/compo_s2014final(corrigido)_2245.pdf >. Acesso em 30/10/2019.

STERNBERG, M. Expositional Modes and Temporal Ordering in Fiction. 1.ed. Bloomington, Indiana University Press, 1978.

______________. Telling in Time (I): chronology and narrative theory. In: Poetics Today, 11/4, p. 901-948, 1990.

______________. Telling in Time (II): chronology, teleology, narrativity”. In: Poetics Today, 13/3, p. 463-541, 1992.

Publicado
10-09-2020
Como Citar
Picado, B., & Anchieta, W. (2020). Mecanismos da Disparidade Cognitiva em Narrativas Seriadas Televisivas: um exame de Billions. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2027
Seção
Ahead of Print