Regimes passionais do MBL na eleição presidencial de 2018

Passionate regimes of MBL in the 2018 presidencial campaign

  • Jose Luiz Aidar Prado Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil
  • Vinicius Prates Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: 1. Comunicação e pol´ˆítica. 2. Regimes passionais. 3. MBL.

Resumo

O texto examina os posts do MBL no Facebook, em setembro e outubro de 2018, durante a campanha eleitoral para presidente, mapeando valores e regimes passionais. Buscamos enfrentar a seguinte questão de pesquisa: Como o enunciador MBL operou em seus contratos de comunicação para construir, em termos de valores, temas e afetos, seu discurso principal e como ajustou e interpretou vários fatos ocorridos durante a campanha para unificar o campo das direitas em torno da candidatura Bolsonaro? Como essa construção se vinculou à polarização? A investigação visa, a partir da polarização do espectro de posições políticas,  verificar os contratos de comunicação e respectivos percursos passionais do enunciador. A metodologia ancora-se na semiótica tensiva de Fontanille e Zilberberg.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jose Luiz Aidar Prado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Vinicius Prates, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo . Professor do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie (CCL/UPM).

Referências

BADIOU, A. Ser e acontecimento. Rio de Janeiro: Zahar/UFRJ, 1996.
BUENO, A. M. Para uma gramática da intolerância. In: Entremeios: revista de estudos do discurso. v.10, jan. jun. 2015.
BRAGA, J.L.W. et all. Matrizes interacionais - a comunicação constrói a sociedade. Campina Grande: Editora da Universidade Estadual da Paraíba, 2017.Universidade Estadual da Paraíba, 2017.
CARLÓN, M. La cultura mediática contemporánea: otro motor, otra combustión (Segunda apropriación de la Teoría de la Comunicación de Eliseo Verón: la dimensión espacial). [Prelo, enviado pelo autor], 2018.
FAUSTO NETO, A. Circulação: trajetos conceituais. In: Rizoma, v.6, n.2, p.8. Santa Cruz do Sul, dezembro 2018.
________________. A circulação além das bordas. Mediatización, sociedad y sentido: diálogos Brasil y Argentina. Rosário: UNR, 2010.
FONTANILLE, J.; ZILBERBERG, C. Tensão e significação. São Paulo: Humanitas, 2001.
FONTENELLE, I. A. A dialetical reflection on the emergence of the ‘citizen as consumer’ as neoliberal citizen-ship: the 2013 Brazilian protests illustration. Journal of Consumer Culture. https://doi.org/10.1177/1469540518806939. London, Sage, 2018.
GREIMAS, A. J. Sobre o sentido II. Ensaios semióticos. São Paulo: Edusp/Nankin, 2014.
HONNETH, A. La sociedad del desprecio. Madri: Editorial Trotta, 2011.
LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia e estratégia socialista. São Paulo: Intermeios, 2015.
PRADO, J.L.A. Polarização e insatisfação midiatizadas no capitalismo comunicacional: como manter a demo-cracia. Texto apresentado no Ciseco 2018. Jarapatinga: Ciseco, 2018.
_____________. Comunicação e reinvenção acontecimental da política. In: Reinvenção comunicacional da política. Brasília: Compós, 2016.
______________. Afetos em confronto. Quem vai para a rua? Palestra apresentada no Seminário Afetos. Rio de Janeiro, UFRJ, 2016a ( a ser publicado em livro em 2018, organizado por João Freire Filho).
______________. Da convocação da alma gêmea ao acontecimento amoroso. In: PINHEIRO, A.; SALLES, C. Jornalismo expandido. Práticas, sujeitos e relatos entrelaçados. São Paulo: Intermeios, 2015.
______________. Comunicação como epistemologia do sul: do reconhecimento à emergência do acontecimen-to. In: Matrizes. V.9, n.2, jul./dez., pp. 109-125. São Paulo: ECA-USP, 2015a.
______________. Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais. São Paulo: Educ, 2013.
______________. Regime de visibilidade em revistas. São Paulo: PUC-SP, 2011. 1 DVD, 2011.
______________. A invenção do Mesmo e do Outro na mídia semanal. DVD. São Paulo: PUC-SP, Um dia sete dias – Grupo de Pesquisas em Mídia Impressa, 2008.
PRADO, J.L.A; PRATES, V. O afastamento de Dilma Rousseff: afetos e discursos em disputa na política. Revista Famecos. Porto Alegre: PUC-RS, 2019 (prelo).
________________________. O significante “povo brasileiro” na crise política do impeachment de Dilma Rousseff. Texto apresentado na Conferência Internacional Patologias e disfunções da democracia, na Univer-sidade Beira Interior, Covilhã, Portugal (a ser publicado em livro em 2019, organizado por Helder Prior), 2017.
_________________________. (org.). Sintoma e fantasia no capitalismo comunicacional. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017a.
Publicado
10-09-2020
Como Citar
Aidar Prado, J. L., & Prates, V. . (2020). Regimes passionais do MBL na eleição presidencial de 2018 : Passionate regimes of MBL in the 2018 presidencial campaign . E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2107
Seção
Ahead of Print