Há sempre uma imagem que falta:

o dispositivo mnemônico de Rithy Panh

  • Roberta Veiga Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
Palavras-chave: Cinema. Dispositivo de rememoração. Trauma. Testemunho. Rithy Panh

Resumo

Resumo: Nesse artigo, tomamos o filme A imagem que falta (2013) como dispositivo mnemônico que permite ao cineasta, Rithy Panh, reconstruir sua experiência do genocídio cambojano, através das lembranças e da falta delas. Ao empenhar-se no testemunho de um tempo de terror vivido coletivamente, Panh coloca o passado em elaboração através das imagens – seja de arquivos ou dos bonecos filmados -  e alcança ainda duas questões ligadas ao cinema: por um lado, a insuficiência do mesmo frente ao processo do trauma, e, por outro, sua potência política na reparação de um dano social. Entre as singularidades dessa potência está o modo com a infância lembrada no filme se revela como resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Veiga, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Doutora em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais e Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma instituição. Editora da Revista Devires - Cinema e Humanidades.

Referências

AGAMBEN, G. Infância e história. Destruição da experiência e origem da história. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.
ANTELME, R. L’espèce humaine. Paris: Gallimard, 1957.
BAZIN, André. O cinema: ensaios. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas vol.I: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.
BOHLEBER, Werner. Recordação, trauma e memória coletiva: a luta pela recordação em psicanálise. Revista Brasileira de Psicanalise, Vol. 41, n. 1, 2007.
BUCK-MOR SS, S. Dialética do olhar: Walter Benjamin e o projeto das Passagens. Trad. Ana Luiza de Andrade. Belo Horizonte: Editora UFMG; Chapecó: Editora Universitária Argos, 2002.
COMOLLI, Jean-Louis. A última dança: como ser espectador de Memory of the camps? IN: Revista Devires – Cinema e Humanidades. UFMG-FAFICH, v.3, n.1, 2006.
DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das imagens. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2015.
ENDO, Paulo. Pensamento como margem, lacuna e falta: memória, trauma, luto e esquecimento. Revista USP: São Paulo, n. 98, junho/julho/agosto, 2013.
ENSEIRECH, Pierre. A imagem que falta: contra a negatividade. IN: MAIA, Carla e FLORES, Luís Felipe (org). O cinema de Rithy Panh. São Paulo; Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil; Ministério da Cultura, 2013.
GAGNEBIN, Jean-Marie. Limiar, aura e rememoração: ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34, 2014.
KEHL, Maria Rita. Tortura e sintoma social. IN: TALES, E. e SAFATLE, V. (org.) O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.
MAIA, Carla e FLORES, Luís Felipe (org). O cinema de Rithy Panh. São Paulo; Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil; Ministério da Cultura, 2013.
RILKE, Rainer Maria. Cartas do poeta sobre a vida. São Paulo: Martins, 2007.
SILEGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma. A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Revista Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, vol.20, n.1, 2008.
AUTOR
Publicado
10-09-2020
Como Citar
Veiga, R. (2020). Há sempre uma imagem que falta: : o dispositivo mnemônico de Rithy Panh. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2125
Seção
Ahead of Print