SEMIÓTICA DA CAUSA NAS RELAÇÕES DE CONSUMO

Os vínculos de sentido entre acaso, causação eficiente e propósito em campanhas publicitárias

  • Lucia Santaella Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil
  • Maria Clotilde Perez Rodrigues Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
  • Bruno Pompeu Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Causa. Consumo. Semiótica. Marca. Publicidade.

Resumo

O objetivo do artigo é entender o conceito de “causa”, sua efetividade como posicionamento de marcas e os efeitos gerados para o cidadão-consumidor. Buscou-se a teoria da causalidade em C. Peirce, em que o autor traz sua visão triádica sobre o conceito: o acaso, a causação eficiente e a causação final, também chamada de propósito. Aproximando esta concepção teórica das possibilidades de interpretantes gerados, objetivo das campanhas de causa, chegamos aos efeitos de sentido de sensibilização, engajamento e consciência. Por meio da análise de campanhas publicitárias de causa, compreendemos que a semiose genuína não é possível, mas que os efeitos de sentido se dão no nível das sensibilidades e da viabilização para o engajamento social dos consumidores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Santaella, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária da Pontifícia Universidade Católica de São. Professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Coordenadora do TIDD - programa de pós-graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital na PUC SP. Líder do CEPE - Centro de Estudos Peirceanos e do TransObjeto. Pesquisadora 1A do CNPq.

Maria Clotilde Perez Rodrigues, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora titular de Publicidade e Semiótica da Universidade de São Paulo. Livre docente em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Professora do PPGCOM/USP. Chefe do Departamento de Relações Públicas, Publicidade e Turismo da ECA USP. Líder do Grupo de Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo (GESC3).

Bruno Pompeu, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutor e Mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Professor na ESPM e professor temporário na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Pesquisador do GESC3 - Grupo de Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo.

Referências

BATEY, Mark. O significado da marca: como as marcas ganham vida na mente dos consumidores. São Paulo: Best Business, 2010.
BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2010.
BERMAN, Ronald. Advertising and social change. Beverly Hills: Sage, 1981.
CASTELLS, Manuel (org.). Outra economia é possível: cultura e economia em tempos de crise. Rio de Janeiro: Zahar, 2019.
DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. 3. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.
FLOCH, Jean-Marie. Semiótica, marketing y comunicación: bajo los signos, las estratégias. Buenos Aires: Paidós, 1993.
HAN, Byung-Chul. No enxame: perspectivas do digital. São Paulo: Vozes, 2018.
HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século 21. São Paulo: Companhia das Letras, 2018
HOLBROOK, Morris; HIRSCHMAN, Elizabeth. The semiotics of consumption. Berlim: Mouton de Gruyter, 1993.
HULSWIT, Menno. Peirce on Causality and Causation. In M. Bergman & J. Queiroz (Eds.), The Commens Encyclopedia: The Digital Encyclopedia of Peirce Studies. New Edition. Pub. 120809-1715a. 2001. Em http://www.commens.org/encyclopedia/article/hulswit-menno-peirce-causality-and-causation. Acesso: 27/12/2019.
HUME, David. Investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: Escala, 2006.
________. Tratado da natureza humana. São Paulo: Unesp e Imprensa Oficial, 2001.
KOTLER, P. Marketing para organizações sem fins lucrativos. São Paulo: Atlas, 1978.
KOTLER, Philip; ZALTMAN, Gerald. Social marketing: an approach to planned social change. Journal of Marketing, v. 35, n. 3, p. 3-12, 1971.
LENCASTRE, Paulo de (org.). O livro da marca. Lisboa: Dom Quixote, 2007.
LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
MARX, Kar. O capital. São Paulo: Boitempo, 2013.
MCCRACKEN, Grant. Cultura & consumo II: mercado, significados e gerenciamento de marcas. Rio de Janeiro: Mauad, 2012.
________. Cultura & consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.
MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
PEIRCE, Charles S. Collected Papers. Vols. 1-6, Hartshorne and Weiss (eds.); vols. 7-8, Burks.(ed.) Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1931-58. As referências no texto foram feitas sob CP seguido de número do volume e número de parágrafo.
________. Essential Peirce, Nathan Houser at al. (eds.). Bloomington: Indiana University Press, 1992.
_______. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1995
PEREZ, Clotilde. Estéticas do consumo a partir do sistema publicitário. Anais Compós. Brasília, 2015
________. Ecossistema publicitário: o crescimento signico da Publicidade. Anais XXXIX Intercom. GP de Publicidade e Propaganda. São Paulo, ECA USP, 2016a.
________. Publicidade transbordante: teoria e práxis. In: VII Própesq PP – Encontro Nacional dos Pesquisadores em Publicidade. Anais Propesq PP. Rio de Janeiro, 2016b.
________. Signos da marca: expressividade e sensorialidade. 2ª. Ed. São Paulo: Cengage, 2017.
________. Estéticas do consumo a partir do ecossistema publicitário. Revista Observatório, v.4, 2018a
________. Consumo e Publicidade Social. 3º. Mobilize: Publicidade social, urgências, emergências e resistências. UFF: Niteroi, Rio de Janeiro, 2018b.
________. Condições antropossemióticas do negro na publicidade contemporânea. In BATISTA, Leandro L.; LEITE, Francisco (orgs.). O negro nos espaços publicitários brasileiros. Perspectivas em diálogo. São Paulo: ECA-USP, 2011
PEREZ, Clotilde; POMPEU, Bruno. Quando a presença está longe da equidade: o negro na publicidade brasileira, ainda um estereótipo. In: LEITE, Francisco; BATISTA, Leandro L. (orgs.). Publicidade antirracista: reflexões, caminhos e desafios. São Paulo: ECA-USP, 2019a.
PEREZ, Clotilde; POMPEU, Bruno. "La teoría de los interpretantes de Peirce como medio de compresión y gestión de las causas de marca". 14º. Congreso Mundial de Semiotica. Buenos Aires: AISS, 2019b

PEREZ, Clotilde; TRINDADE, Eneus. Três dimensões para compreender as mediações comunicacionais do consumo na contemporaneidade. Anais Compós: Belo Horizonte, 2018
POMPEU, Bruno; SATO, Silvio. A publicidade e o sentido na contemporaneidade: questões complexas diante de uma crise de linguagem. In: Comunicon - Congresso Internacional Comunicação e Consumo, 2018, São Paulo. 7º Encontro de GTS de Pós-Graduação. São Paulo: ESPM, 2018.
POMPEU, Bruno. Da sola do pé à palma da mão: a publicidade construtora em momentos de crise. In: XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2016, São Paulo. Anais. São Paulo: Intercom, 2016. v. 1.
_______. A retórica da crise: estratégias publicitárias em tempos de retração. In: Comunicon 2015 - Congresso Internacional Comunicação e Consumo, 2015, São Paulo. Anais. São Paulo: ESPM, 2015.
ROCHA, Everardo. Representações do consumo: estudos sobre narrativa publicitária. RJ: Mauad, 2006.
_______. Magia e capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Brasiliense, 2010.
SANTAELLA, Lucia; NOTH, Winfred. Estratégias semióticas da publicidade. São Paulo: Cengage, 2010.
SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson, 2004a.
________. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas. São Paulo: Pioneira Thomson, 2004b.
________. A teoria geral dos signos: semiose e autogeração. São Paulo: Ática, 1995
SAVAN, David. An introduction to C. S. Peirce's full system of semeiotic. Toronto: Toronto Semiotic Circle, 1988.
SIMMEL, Georg. Psicologia do dinheiro. São Paulo: Texto & Grafia, 2015.
SCHAFFER, Jonathan. The Metaphysics of Causation. In: The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2016 Edition), Edward N. Zalta (ed.). Em: https://plato.stanford.edu/archives/fall2016/entries/causation-metaphysics/. Acesso: 26/12/2019.
VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.
ZIZEK, Slavoj. A coragem da esperança: crônicas de um ano em que agimos perigosamente. Rio de Janeiro: Zahar, 2019.
Publicado
10-09-2020
Como Citar
Santaella, L., Perez Rodrigues, M. C., & Pompeu, B. (2020). SEMIÓTICA DA CAUSA NAS RELAÇÕES DE CONSUMO: Os vínculos de sentido entre acaso, causação eficiente e propósito em campanhas publicitárias. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2128
Seção
Ahead of Print