Valores morais em disputa entre jornalistas e não-jornalistas

  • Dairan Paul Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil
  • Rogério Christofoletti Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil
Palavras-chave: Ética jornalística, Ética das virtudes, Não-jornalistas, Coletivo Carranca, Mídia Independente Coletiva

Resumo

Atos de jornalismo são praticados por profissionais e amadores, o que não significa que inexistam tensões entre eles. A partir de entrevistas com sujeitos dos coletivos cariocas Carranca e Mídia Independente Coletiva, observamos como amadores caracterizam seus valores morais e como avaliam os valores dos profissionais. Destacamos ainda como profissionais julgam os valores dos não-jornalistas. Os resultados problematizam a identidade no jornalismo e o romantismo que a caracteriza. Embora comunguem de um ethos idealizado, amadores consideram que a deontologia constrange suas práticas. Profissionais, por sua vez, mobilizam virtudes próprias para autopreservar suas identidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dairan Paul, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Doutorando em Jornalismo pelo Programa de Pós Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre pela mesma instituição. Graduado em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Pesquisador do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS – objethos.wordpress.com).

Rogério Christofoletti, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Doutor em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de São Paulo. Professor do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGJOR/UFSC). Um dos coordenadores do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS). Pesquisador do CNPq.

Referências

AGUIAR, Leonel; BARSOTTI, Adriana. Jornalismo amador: proposta para definir as práticas jornalísticas exercidas pelo público em ambientes interativos. Pauta Geral – Estudos em Jornalismo, v. 1, 46-61, 2014.

CAMPONEZ, Carlos. Fundamentos de deontologia do jornalismo: a auto-regulação frustrada dos jornalistas portugueses (1974-2007). 2009. 583 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade de Coimbra, 2009.

CARLSON, Matt. Introduction. The many boundaries of journalism. In: CARLSON, Matt; LEWIS, Seth (Eds.). Boundaries of journalism: professionalism, practices and participation. New York: Routledge, 2015.

CHRISTOFOLETTI, Rogério. Preocupações éticas no jornalismo feito por não-jornalistas. Comunicação & Sociedade, v. 25, p. 267-278, 2014.

COMTE-SPONVILLE, André. Pequeno tratado das grandes virtudes. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

COSTA, Rafael Rodrigues da; ARAÚJO, Mayara Carolinne Beserra de; LIMA, Raphaelle Christine Batista de. Apontamentos para um perfil dos arranjos alternativos de jornalismo no Ceará. Cambiassu, v. 15, n. 25, 2020.

DEUZE, Mark; WITSCHGE, Tamara. Da suspeita ao encantamento na pesquisa em jornalismo. Esferas, n. 17, 2020.

DEUZE, Mark. What is journalism? Journalism, v. 6, n. 4, p. 442-464, 2005.

FÍGARO, Roseli; BARROS, Janaina; KINOSHITA, Jamir. As relações de comunicação e as condições de produção no trabalho de jornalistas em arranjos econômicos alternativos às corporações de mídia. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 17., Goiânia. Anais... São Paulo: SBPJor, 2019.

HANITZSCH, Thomas; VOS, Tim. Journalistic roles and the struggle over institutional identity: the discursive constitution of journalism. Communication Theory, v. 27, n. 2, 2017.

HARCUP, Tony. Listening to the voiceless: the practices and ethics of alternative journalism. In: ATTON, Chris (Ed.). The Routledge Companion to alternative and community media. Routledge: New York, pp. 313-323, 2015.

HIMANEN, Pekka. La ética del hacker y el espírito de la era de la información. Tradução de Ferran Meler Ortí. Barcelona: Destino, 2002.

LAGO, Cláudia. De romântico e de louco... Reflexões sobre o romantismo jornalístico. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 12., Recife, 2003. Anais...São Paulo: Compós, 2003.

LELO, Thales Vilela. O sofrimento ético no mundo do trabalho dos jornalistas. E-Compós, v. 23, p. 1-20, 2019.

LOPES, Fernanda Lima. Ser jornalista no Brasil: identidade profissional e formação acadêmica. São Paulo: Paulus, 2013.

MACINTYRE, Alasdair. Depois da virtude: um estudo em teoria moral. Bauru: Edusc, 2001.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Ética como discurso estratégico no campo jornalístico. Líbero, v. 13, n. 26, p. 31-38, 2010.

______; MARQUES, Ângela Cristina Salgueiro. Ética, mídia e comunicação: relações sociais em um mundo conectado. São Paulo: Summus, 2018.

MICK, Jacques. Trabalho jornalístico e convergência digital no Brasil: um mapeamento de novas funções e atividades. Pauta Geral, v. 2, n. 1, p. 15-37, 2015.

MORETZSOHN, Sylvia. O ‘jornalismo cidadão’ e o mito da tecnologia redentora. Brazilian Journalism Research, v. 10, p. 248-271, 2014.

MORTENSEN, Tara, KESHELASHVILI, Ana; WEIR, Tom. Who we are: a study of types of citizen journalists. Digital Journalism, v. 3, n. 4, p. 1-20, 2015.

OLIVEIRA, Michelle Roxo de. Por onde passam as fronteiras do jornalismo profissional? Estratégias de distinção de um jornal-empresa a partir da emergência de novos atores e meios produtivos. Comunicação Midiática, v. 12, n. 2, p. 101-114, 2017.

OLIVEIRA, Sheila Borges de. O repórter-amador: uma análise das disposições sociais motivadoras das práticas jornalísticas do cidadão comum. 2013. 327 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

PAUL, Dairan. Valores morais em atos de jornalismo: reflexões sobre uma ética para não-jornalistas. 2017. 472 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Jornalismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2017.

PAUL, Dairan; CHRISTOFOLETTI, Rogério. Cuidado, virtude e dilemas morais nas práticas de não-jornalistas. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 43, p. 21-36, 2020.

PEDRO, Ana Paula. Ética, moral, axiologia e valores: confusões e ambiguidades em torno de um conceito comum. Kriterion, n. 130, p. 483-498, 2014.

PEREIRA, Fábio Henrique. Os jornalistas-intelectuais no Brasil: identidade, práticas e transformações no mundo social.468 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Comunicação) – Universidade Federal de Brasília, Brasília, 2008.

PEREIRA, Fábio Henrique. Da responsabilidade social ao jornalismo de mercado: o jornalismo como profissão. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação, Corvilhã, 2004. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/pereira-fabio-responsabilidade-jornalista.pdf. Acesso em: 16 jan 2020.

POPESCU, Victor. Bloggers, journalists and epistemic responsibility. A particular type of self-regulation in the Romanian online media. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON MEDIA ETHICS, 2., 2013, Sevilha. Anais..., University of Seville: School of Communication, p. 110-122, 2013.

RINGOOT, Roselyne; RUELLAN, Denis. Journalism as permanent and collective invention. Brazilian Journalism Research, v. 3, n. 2, p. 67-76.

S1C [pseudônimo]. Entrevista III. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (338 min.).

S2C [pseudônimo]. Entrevista V. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (118 min.).

S3C [pseudônimo]. Entrevista VI. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (73 min.).

S4C [pseudônimo]. Entrevista VIII. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (76 min.).

S1M [pseudônimo]. Entrevista I. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (69 min.).

S2M [pseudônimo]. Entrevista II. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (75 min.).

S3M [pseudônimo]. Entrevista IV. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (65 min.).

S4M [pseudônimo]. Entrevista VII. [mai 2017]. Entrevistador: Dairan Paul. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp3 (98 min.).

SINGER, Jane. Sem medo do futuro: ética do jornalismo, inovação e um apelo à flexibilidade. Comunicação e Sociedade, v. 25, p. 49/67-66/82, 2014.

SILVA, Mariana da Rosa. Tensões entre o alternativo e o convencional: organização e financiamento nas novas experiências de jornalismo no Brasil. 2017. 396 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Jornalismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

SILVA, Marcelli; PEREIRA, Fábio. O percurso do amador para integrar notícia televisiva: as motivações e modalidades de cooperação no telejornalismo brasileiro. Razon y Palabra, v. 23, n. 104, 2019.

STEARNS, Josh. Acts of Journalism: defining Press Freedom in the Digital Age. Free Press, 2013.

TRÄSEL, Marcelo. Entrevistando planilhas: estudo das crenças e do ethos de um grupo de profissionais de jornalismo guiado por dados no Brasil. 2014. 311 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

WARD, Stephen; WASSERMAN, Herman. Towards an open ethics: implications of new media platforms for Global Ethics Discourse. Journal of Mass Media Ethics: exploring questions of media morality, v. 25, n. 4, p. 275-292, 2010.

Publicado
21-10-2020
Como Citar
Paul, D., & Christofoletti, R. (2020). Valores morais em disputa entre jornalistas e não-jornalistas. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2220
Seção
Ahead of Print