Escutas de um ouvido autômato: estética e erotismo do ASMR

Palavras-chave: ASMR. Anestética. Erotismo. Sound Studies.

Resumo

A partir de breve análise sobre dois vídeos ASMR (Autonomous Sensory Meridian Response - Resposta Meridional Sensorial Autônoma), disponíveis na rede social youtube, o autor propõe ensaio a respeito da escuta contemporânea. A subcultura do ASMR e a estética do formigamento são apresentados como modos emergentes de consumo audiovisual em diálogo com as noções de anestética, de Walter Benjamin e de erotismo de George Bataille. A hipótese decorrente é o surgimento de uma realização erótica e estética autômata, fruto da relação humana nas redes sociotécnicas, que potencializa a alienação do sono pelo capitalismo tardio.        

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Gue Martini, Centro Universitário da Serra Gaúcha FSG, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutor e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Coordenador do bacharelado em Jornalismo e do Tecnólogo em Cinema, do Centro Universitário da Serra Gaúcha FSG, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Membro do grupo de pesquisa: Processocom - Processos comunicacionais, epistemologia, midiatização, mediações e recepção. Membro da Rede Amlat - Rede temática Comunicação, Cidadania, Educação e Integração na América Latina.

Referências

BATAILLE, George. O erotismo. Por Alegre: L&PM Editores, 1987.

BARRATT e DAVIS. Autonomous Sensory Meridian Response (ASMR): a flow-like mental state. In: PeerJ 3:e851. 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 fev. 2020.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da Cultura de Massa. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 207-239.

BENTES, Ivana. Economia narrativa: do midiativismo aos influenciadores digitais. In: BRAIGHI, Antônio Augusto; LESSA, Cláudio; CÂMARA, Marco Túlio (orgs.). Interfaces do Midiativismo: do conceito à prática. CEFET-MG: Belo Horizonte, 2018. P. 151-169.

BUCK-MORSS, Susan. Estética e anestética: O "Ensaio sobre a obra de arte" de Walter Benjamin reconsiderado. In: Travessia. n.33, Revista do Programa de Pós-graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina, 1996.

CANALTECH. ASMR. O que é e porque esse tipo de vídeo viralizou na internet? Brasil, 12 fev. 2019. Disponível em: <https://canaltech.com.br/virais/asmr-o-que-e-e-porque-esse-tipo-de-video-viralizou-na-internet-132625/>. Acesso em 06 fev. 2020.

CHALON, Madeline; NANCY, Jean-Luc. Entrevista com Jean-Luc Nancy. Mas deixemos de lado o senhor Bataille. In: Alea. Estudos Neolatinos. vol.15, n.2. Rio de Janeiro, jul-dez. 2013. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1517-106X2013000200012>. Acesso em: 08 jan. 2020.

CHION, Michel. El sonido. Música, cine, literatura... Paidós Comunicación, n. 107. Barcelona: Editorial Paidós, 1999.

CODATO, Henrique. O corpo e a Voz no Cinema Contemporâneo: reflexões sobre o filme Ela (Her, 2013), de Spike Jonze. In: Significação. v.43. n.46. 2016. p.106-125.

CRARY, Jonathan. 24/7: Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

DAMÁSIO, António. O erro de Descartes. Emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

FOWLER, Damian. O que é ASMR – os intrigantes sons que valem ouro no youtube. In: BBC Brasil (on-line), 5 ago. 2018. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/vert-cap-44829944>. Acesso em: 14 jan. 2020.

FROMM, Erich. O medo à liberdade. 14. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

GALLAGHER, Rob. Eliciting Euphoria Online: The Aesthetics of “ASMR” Video Culture. In: Film Criticism. Volume 40, Edição 2. Special Guest-Edited Issue: The Aesthetics of Online Videos. jun., 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.3998/fc.13761232.0040.202>. Acesso em: 10 jan. 2020.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença. O que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed. PUC-Rio, 2010.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 25 ed. São Paulo: Loyola, 2014.

LE BRETON, David. Il sapore del mondo. Un'antropologia dei sensi. Milão: Raffaello Cortina Editore, 2007.

LEFEBVRE, Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. Série Temas. Volume 24. Sociologia e Política. São Paulo: Ática, 1991.

LÖWY, Michael. O capitalismo como religião. In: Folha de São Paulo, 18 dez. 2005. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs1809200508.htm>. Acesso em: 07 fev. 2020.

MARTINI, Felipe Gue. Platina: transmetodologia radical e escutas poéticas entre Porto Alegre e Montevidéu. 2018. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação). Unisinos, São Leopoldo, 2018.

NANCY, Jean-Luc. A la escucha. 1. ed. Buenos Aires: Amorrortu, 2007.

NANCY, Jean-Luc. Ascoltando. In: SZENDY, Peter. Escucha. Una história del oído melómano. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2003. p.11-16.

OBICI, Giuliano. Condição da escuta. Mídias e territórios sonoros. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

SARTRE, Jean-Paul. Questão de método. Tradução de Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Os Pensadores, 45).

SCHAFER, R. Murray. A afinação do mundo. São Paulo: Unesp, 2001.

STERNE, Jonathan. The Audible Past. Cultural Origins of Sound Reproduction. Durhan & London: Duke University Press, 2003.

SZENDY, Peter. Escucha. Una história del oído melómano. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2003.

TOOP, David. Resonancia siniestra. El oyente como médium. Buenos Aires: Caja Negra, 2016.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Publicado
22-09-2020
Como Citar
Martini, F. (2020). Escutas de um ouvido autômato: estética e erotismo do ASMR. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2263
Seção
Ahead of Print