Disputas acerca do politicamente correto no período eleitoral de 2018:

a negação de conflitos identitários

Autores

  • Bruna Silveira Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0163-6102
  • Rousiley Celi Moreira Maia Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2292

Palavras-chave:

Ataque ao politicamente correto., Negação das diferenças., Ataque à democracia., Eleições 2018.

Resumo

Este artigo visa apreender ataques ao politicamente correto, em particular, a negação de conflitos identitários. A partir do contexto eleitoral brasileiro de 2018, exploramos as batalhas atreladas a tal regulação discursiva, que possui efeitos variados na esfera pública. Para tanto, comentários (N=2.614) nas páginas de Facebook de Bolsonaro (ex-PSL) e Haddad (PT) são investigados mediante análise de conteúdo. Os principais achados indicam que os apoiadores de Bolsonaro, ao atacar o politicamente correto, em sua maioria, também negam as diferenças entre grupos identitários, enquanto os defensores de Haddad reconhecem essas diferenças. O primeiro tipo é, portanto, tóxico ao pluralismo social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Silveira, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Integrante do Grupo de Pesquisa Mídia e Esfera Pública (EME/UFMG). Bolsista Capes.

Rousiley Celi Moreira Maia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Doutora em Ciência Política pelo Politics Department da University of Nottingham. Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Líder do Grupo de Pesquisa Mídia e Esfera Pública (EME/UFMG).

Referências

ABRANCHES, Sérgio. Polarização radicalizada e ruptura eleitoral. In: ABRANCHES, Sérgio, et al, Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p. 11-34.

ALONSO, Angela. A comunidade moral bolsonarista. In: ABRANCHES, Sérgio, et al Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras. 2019. p. 52-70.

AVRITZER, Leonardo. O Pêndulo da democracia no Brasil: uma análise da crise (2013-2018). In: AVRITZER, Leonardo; et al., Pensando a Democracia, a República e o Estado de Direito no Brasil. Belo Horizonte: Projeto República, 2019, p.17-38.

BAPTISTA, Érica. A. et al. Eleições 2018: a campanha para o cidadão de bem. In: Anais 42° Encontro Anual Anpocs, Caxambú, MG, p. 1–26, 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução Luis Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

CHOI, J. M.; MURPHY, J. The Politics and Philosophy of Political Correctness. 1.ed. Santa Barbara, CA: Praeger. 1992.

CIOCCARI, Deysi. O atentado contra Jair Bolsonaro: imagem e a violência nas eleições 2018. Revista Líbero, ano XXI, nº 42, 2018.

DI CARLO, J.; KAMRADT, J.. “Bolsonaro e a cultura do politicamente incorreto na política brasileira”. Teoria e Cultura. Juiz de Fora, v. 13, n. 2. p. 55-72, 2018.

DZENIS, Sandra; FARIA, Filipe N. Political Correctness: the Twofold Protection of Liberalism. Philosophia, 48, p. 95-114, 2020.

FRASER, Nancy. Rethinking the Public Sphere: A Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy. In: CALHOUN, Craig (ed.), Habermas and the Public Sphere. Cambridge: MIT Press. 1992, p. 109-142.

GRANATH, Solveig; ULLÉN, Magnus. ‘The Elevation of Sensitivity over Truth’: Political Correctness and Related Phrases in the Time Magazine Corpus. Applied Linguistics, 40, 2, p. 1–24, 2017.

HABERMAS, Jürgen. A Inclusão do Outro. Tradução de George Sperber e Paulo Astor Soethe. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

______. Direito e democracia: entre facticidade e validade. 2. ed. v.1. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2010.

______. Mudança estrutural da esfera pública. São Paulo: Editora UNESP. 2014.

HALL, Stuart. Some 'Politically Incorrect' Pathways Through PC. S. In: Dunant (ed.), The War of the Words: The Political Correctness Debate, p. 164–84, 1994.

HELD, David. Modelos de democracia. Tradução de Alexandre Sobreira Martins. Belo Horizonte: Editora Paidéia, 1995.

HERZOGENRATH-AMELUNG, Heidi. The new instantaneity: how social media are helping us privilege the (politically) correct over the true. Media, Culture & Society. vol. 38, n.7, p.1080–1089, 2016.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Tradução de Luiz Repa. 2.ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

KOHL, Herbert. Uncommon Differences: On Political Correctness, Core Curriculum and Democracy in Education. The Lion and the Unicorn, Baltimore, v. 16, n. 1, p. 1-16, 1992.

KRIPPENDORFF, Klaus. Testing the reliability of content analysis data: what is involved and why. In: KRIPPENDORF, K; BOCK, M. A. The Content Analysis Reader. Los Angeles: Sage Publications, 2007, p. 350-357.

LALONDE, R.; DOAN, L.; PATTERSON, L. Political correctness beliefs, threatened identities, and social attitudes. Group Processes & Intergroup Relations, 3(3), 317–336, 2000.

MAIA, Rousiley C. M. Dos dilemas da visibilidade midiática para a deliberação pública. Anais... Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. COMPÓS, 2002.

MAIA, Rousiley C. M. Política deliberativa e tipologia de esfera pública. Anais... do “Comunicação e Política”, do XV Encontro da COMPÓS, 2006.

MARTINS FILHO, João R. Ordem desunida: militares e política no governo Bolsonaro. Revista do Centro Sérgio Buarque de Holanda da Fundação Perseu Abramo, nº 18, ano 13, 2019.

MIGUEL, Luis F. A reemergência da direita brasileira. In: GALLEGO, Esther S. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018, p.17-26.

MOUNK, Yascha. O povo contra a democracia: por que nossa liberdade corre perigo e como salvá-la. Tradução Cássio de Arantes Leite, Débora Landsberg, São Paulo: Companhia das Letras. 2019.

NEUENDORF, Kimberly A. The content analysis guidebook. Thousand Oaks, London, New Delhi: Sage Publications, 2002.

NEWFIELD, Christopher. What Was Political Correctness? Race, the Right, and Managerial Democracy in the Humanities. Critical Inquiry, v.19, n.2, 1993.

NORRIS, P.; INGLEHART, R. Cultural Backlash: Trump, Brexit and authoritarian populism. Cambridge: Ed. Cambridge University Press, 2019.

OLIVEIRA, Bruna S. de; MAIA, Rousiley C. M. Redes bolsonaristas: ataque ao politicamente correto e conexões com o populismo autoritário. Revista Confluências, v.22, n.3, pp.83-114, 2020.

OLIVEIRA, Vanessa V. de. Direitos humanos e suas justificativas na mídia: a controvérsia envolvendo o caso do PNDH-3. Dissertação (mestrado) – UFMG, Fafich, 2013.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Sobre o porquê de tanto ódio contra a linguagem "politicamente correta". In SIVA, F.; MOURA, H. (Orgs.). O direito à fala: a questão do preconceito lingüístico. Florianópolis: Insular, 2000. pp. 93-102.

RAMOS, Silvana de S. O politicamente correto e a topologia da exclusão. Revista USP. São Paulo, n.115, p.41-50, 2017.

RIBEIRO, A. D.; POZOBON, R. O. Eleições 2018: análise das estratégias discursivas dos candidatos à presidência do Brasil no Instagram. In: PIMENTEL, Pedro C.; TESSEROLI, Ricardo (Org.). O Brasil vai às urnas: as campanhas eleitorais para presidente na TV e internet. Londrina: Syntagma Editores, 2019.

SANTA INÊS, Leonardo; et al. Como a ditadura, a violência e os direitos humanos aparecem na agenda eleitoral de 2018?. Revista Lumina. Juiz de Fora: PPGCOM – UFJF. v.13. n.3. p.119-134, 2019.

SANTANA, Gabriel; LEAL, Maria Virginia. Análise do discurso politicamente incorreto na atual mídia humorística televisiva brasileira: o caso de entrevistas feitas por Danilo Gentili. Domínios de Lingu@agem, Uberlândia, v. 13, n. 1, 2019.

SANTOS JUNIOR, Marcelo A. dos. #VaipraCuba!: a gênese das redes de direita no Facebook. Curitiba: Editora Appris. 2019.

SARGENTINI, Vanice Maria O.; CHIARI, Geovana. Mentirosos, corruptos e comunistas! As Fake News e o politicamente incorreto. Discurso & Sociedad, vol. 13(3), 2019.

SCABIN, Nara L. C.. Politicamente correto, uma categoria em disputa. Curitiba: Appris. 2018.

SOLANO, Esther. A bolsonarização do Brasil. In: ABRANCHES, Sérgio; et al., Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, p. 307-322, 2019

STARLING, Heloisa M.. O passado que não passou. In: ABRANCHES, Sérgio, et al., Democracia em risco?: 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, p.337-354, 2019.

STRAUTS, E.; BLANTON, H. That’s not funny: Instrument validation of the concern for political correctness scale. Personality and Individual Differences, v. 80, 2015.

TATAGIBA, Luciana. Os protestos e a crise brasileira. Um inventário inicial das direitas em movimento (2011-2016). In: ALMEIDA, Ronaldo de; TONIOL, Rodrigo (orgs). Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: análises conjunturais. Campinas: Unicamp, 2018.

TELLES, Helcimara. Corrupção, Legitimidade Democrática e Protestos: O Boom da Direita na Política Nacional? Interesse Nacional, n.30, p.28-46, 2015.

Downloads

Publicado

07-06-2021

Como Citar

Silveira, B., & Celi Moreira Maia, R. (2021). Disputas acerca do politicamente correto no período eleitoral de 2018:: a negação de conflitos identitários. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2292

Edição

Seção

Ahead of Print