Comunicação Organizacional como saber-prática discursiva e a influência dos Estudos Organizacionais em sua conformação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2295

Palavras-chave:

Comunicação Organizacional, Verdades conceituais, Prática discursiva, Saber

Resumo

Neste artigo, discorremos sobre o encadeamento dos construtos de Comunicação Organizacional no Brasil, a partir de dados de pesquisa realizada com inspiração na análise arqueológica de discurso, que utilizou como corpus 669 artigos publicados no período de 2008 a 2018 em anais de dois importantes congressos e em três revistas científicas. Além de ressaltarmos a Comunicação Organizacional como saber-prática discursiva, apresentamos os autores em posições subjetivas e os postulados que partem deles e são apropriados por outros autores, fazendo emergir e reverberar as noções conceituais assumidas como verdades na área. Evidenciamos que esses postulados são prevalentemente de matriz gestionária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isaura Mourão Generoso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com pesquisa desenvolvida com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Professora no curso de Relações Públicas da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), pesquisadora dos grupos de pesquisa DIALORG/PUC Minas e GCCOP/UFRGS, e consultora em Comunicação Organizacional.

Rudimar Baldissera, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Apoio CAPES. Líder do Grupo de Pesquisa em Comunicação Organizacional, Cultura e Relações de Poder (GCCOP) e bolsista produtividade do CNPq – https://www.ufrgs.br/gccop/ .

Referências

BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional: uma reflexão possível a partir do paradigma da complexidade. In OLIVEIRA, Ivone de L.; SOARES, Ana Thereza N. (Orgs). Interfaces e tendências da comunicação no contexto das organizações. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2008. p. 149-177.

____________. A teoria da complexidade e novas perspectivas para os estudos de comunicação organizacional. In: KUNSCH, Margarida M. Krohling (Org.). Comunicação organizacional: histórico, fundamentos e processos, vol.1. São Paulo: Saraiva, 2009. p. 133-164.

BRAGA, José Luiz. Constituição do campo da Comunicação. In: Verso e reverso, vol. XXV, n. 58: Unisinos, janeiro-abril 2011. p. 62-77.

DREYFUS, Hubert L.; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2.ed., rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013. 348 p.

DEETZ, Stanley. Conceptual Foundations. In: JABLIN, Frederic M.; PUTNAM Linda. (Orgs.). The new handbook of Organizational Communication: advances in theory, research and methods. London: Sage Publications Inc., 2001.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012a. 254 p.

____________. Microfísica do Poder. 25. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2012b. 432 p.

____________. Ditos e escritos, volume IV: estratégia, poder-saber. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012c. 394 p.

GAULEJAC, Vincent de. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, São Paulo: Ideias & Letras, 2007. 338 p.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus, 1997. 156p.

MACHADO, Roberto. Introdução: por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 25ª. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2012. p. 7-34.

MORIN, Edgar. O método 3: conhecimento do conhecimento. 4.ed. Porto Alegre: Sulina, 2008. 286p.

MOSKOVIC, Alejandra Walzer. ¿Delimitar o des-limitar? Agumetnos en torno al campo académico de la comunicación. In: VALENCIA, Gladys Lucía López;

MOURÃO, Isaura. A construção do saber-prática discursiva da Comunicação Organizacional. Tese. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, 2019. 306f.

SERRA, J. Paulo. Manual de Teoria da Comunicação. Livros Labicom. Covilhã, 2007. Disponível em: http://www.labcom.ubi.pt/livroslabcom/. Acesso em: 17 jul. 2017. 203p.

TORQUATO, Francisco Gaudêncio do Rego. Cultura, poder, comunicação crise e imagem: fundamentos das organizações do século XXI. 2.ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012. 300p.

URIBE, Pablo Múnera. La idea de organización: una concepción amplia para una acción efectiva. Medellín: Comunicación, 2007. 150p.

WOLTON, Dominique. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010. 96p.

Downloads

Publicado

26-07-2021

Como Citar

Mourão Generoso, I., & Baldissera, R. . (2021). Comunicação Organizacional como saber-prática discursiva e a influência dos Estudos Organizacionais em sua conformação. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2295

Edição

Seção

Ahead of Print