Festa infantil no país do futuro

Consumo e ritualização do Dia das Crianças no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2308

Palavras-chave:

Publicidade, Ritual de Consumo, Dia das Crianças, Brasil

Resumo

Neste artigo, examinamos o processo de construção simbólica do Dia das Crianças no Brasil, a fim de compreender os significados edificados em torno dessa data comemorativa e a mobilização de diferentes agentes para sua consolidação. Para tanto, investigamos reportagens e anúncios publicados na imprensa brasileira no período entre 1910 e 1960 e decretos governamentais. A análise de estratégias publicitárias demonstra a atuação do comércio e de produtores de bens relacionada à fixação periódica da celebração. Verificamos como a criação do Dia das Crianças e sua ritualização pelo consumo dramatizam o imaginário de uma nação que se engendrou sob o epíteto ufanista “país do futuro”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Frid, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Doutora em Comunicação Social pela Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, com estágios na School of History and Cultures da University of Birmingham, RU, e no Departamento de Modern Culture and Media da Brown University, EUA. Pesquisadora de pós-doutorado em Comunicação e Cultura na Universidade Federal do Rio de Janeiro, ECO/UFRJ, com bolsa da FAPERJ (PDR Nota 10).

William Corbo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Doutor em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professor Adjunto do Departamento de Antropologia Cultural do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Bruna Aucar, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professora do Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Coordenadora do Laboratório de Antropologia da Comunicação e do Consumo da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Referências

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981 [1960].

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Difel, 2003 [1957].

BATESON, Gregory; MEAD, Margareth. Balinese character: A photographic analysis. New York: New York Academy of Sciences, 1942.

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 1991 [1970].

____________. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva. 1993 [1968].

BUCKINGHAM, David. Repensando a criança-consumidora: novas práticas, novos paradigmas. Comunicação, Mídia e Consumo, v. 9, n. 25, p.43-72, 2012.

CAMPBELL. Colin. The romantic ethic and the spirit of modern consumerism. Oxford: Blackwell, 1987.

CIRINO, Oscar. Psicanálise e psiquiatria com crianças: desenvolvimento ou estrutura. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

CORSARO, William. The sociology of childhood. Newbury Park, CA: Pine Forge Press, 1997.

CUSTÓDIO, André Viana. Direitos humanos de crianças e adolescentes e políticas públicas. Curitiba: Multideia, 2014.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

_________. Esporte na sociedade: um ensaio sobre o futebol brasileiro. In:______. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982, p. 19-42.

FURTADO, Thaís; DORETTO, Juliana. Criança cidadã? Os manuais de redação e as

orientações sobre infância e adolescência. Mídia e Cotidiano, v. 14, p. 32-54, 2020.

DORETTO, Juliana; PONTE, Cristina. Brasil e Portugal: infâncias contemporâneas e suas culturas digitais. CONTEMPORÂNEA: Revista de Comunicação e Cultura, v. 13, p. 159-176, 2015.

________.; FURTADO, Thaís. A invasão das crianças no discurso jornalístico: a representação não desejada da infância. E-COMPÓS, v. 21, n. 2, 2018.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004 [1979].

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975 [1933].

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008 [1978].

GLUCKMAN, Max. Order and rebellion in tribal Africa. Londres: Cohen & West, 1963.

________. Ritos de rebelião. Brasília: DAN/UnB, 2011 [1954]. Disponível em: http://www.dan.unb.br/images/pdf/serie-traducao/st%2003.pdf.

HEYWOOD, Colin. Uma história da infância: da Idade Média à época contemporânea no Ocidente. Porto Alegre: Artmed, 2004.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995 [1936].

KUHLMANN JR., Moysés. As grandes festas didáticas: a educação brasileira e as exposições internacionais (1862-1922). Bragança Paulista: EDUSF, 2001.

LANCY, David. The anthropology of childhood: cherubs, chattel, changelings. Cambridge, RU: Cambridge University Press, 2008.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Papai Noel supliciado, ALCEU, v.4, n.7, p. 5-18, 2003 [1952].

MARÔPO, Lídia; SAMPAIO, Inês S. V.; PEREIRA, Nut . Meninas no YouTube: participação, celebrização e cultura do consumo. Estudos em Comunicação, v. 1, p. 175-195 2018.

MCCRACKEN, Grant. Cultura e consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003 [1989].

MEAD, Margareth. Growing up in new guinea: a comparative study of primitive education. Nova York: Perennial Classics, 2001 [1930].

MILLER, Daniel. Material culture and mass consumption. Oxford: Basic Blackwell, 1987.

________. A theory of shopping. Ithaca, Nova Iorque: Cornell University Press, 1998.

PEREZ, Clotilde. Há limites para o consumo? Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2020.

PRADO JUNIOR, Caio. História econômica do Brasil. 12 ed. São Paulo: Brasiliense, 1970.

PRIORE, Mary. (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010.

POLLOCK, Linda. Forgotten children: parent-child relations from 1500 to 1900. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

RAMOS, Arthur. Guerra e relações de raça. Rio de Janeiro: Departamento Editorial da União Nacional dos Estudantes, 1943.

________. Introdução à 1ª Edição brasileira. In: PIERSON, Donald. Brancos e pretos na Bahia. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1971, p. 67-70.

________. Os grandes problemas da Antropologia brasileira. MANA, v. 21, n. 1, p. 195-212, 2015 [1948].

ROCHA, Everardo. Magia e capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1985.

_______. A sociedade do sonho: comunicação, cultura e consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.

ROCHA, Everardo; FRID, Marina; CORBO, William. O Paraíso do Consumo: Émile Zola, a magia e os grandes magazines. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

ROCHA, Everardo; AUCAR, Bruna. Bens e sensibilidades: consumo, ritual e classificação publicitária. Alceu, v. 17, p. 05-17, 2017.

SAMPAIO, Inês. Publicidade e infância: uma relação perigosa. In: VIVARTA, Veet (Coord.). Infância e consumo: estudos no campo da comunicação. Brasília, DF: ANDI; Instituto Alana, 2009, p. 09-21.

SCHUELER, Alessandra; DELGADO, Ana Cristina; MULLER, Fernanda. A participação de crianças nas festividades brasileiras. Revista Educação em Questão, v. 29, n. 15, p.122-148, maio-agosto, 2007.

SCHWARCZ, Lilia. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SIMMEL, Georg. Filosofia da moda e outros escritos. Lisboa: Edições Texto & Grafia, 2008 [1905].

SOMBART, Werner. Luxury and capitalism. Ann Arbor: University of Michigan Press. 1967 [1913].

TOMAZ, Renata. YouTube, infância e subjetividades: o caso Julia Silva. ECCOM - Educação, Cultura e Comunicação, v. 8, p. 35-46, 2017.

_______. Criança pode cantar e dançar funk? As repercussões dos vídeos de MC Melody e as disputas no campo da infância. Estudos Semióticos (USP), v. 12, p. 90-97, 2016.

TRINDADE, Eneus; PEREZ, Clotilde. Os rituais de consumo como dispositivos midiáticos para a construção de vínculos entre marcas e consumidores. ALCEU, v. 15, n. 29, p. 157-171, 2014.

_________. et al. Rituais de consumo: espectros da midiatização e da opinião pública sobre o ativismo digital. INTERIN, v. 25, p. 222-248, 2020.

TURNER, Victor. Floresta dos símbolos: aspectos do ritual Ndembu. Niterói: EdUFF, 2005 [1967].

______. O processo ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Pioneira, 1965 [1899].

VEIGA, Cynthia; GOUVÊA, Maria Cristina. Comemorar a infância, celebrar qual criança? Festejos comemorativos nas primeiras décadas republicanas. Educação e Pesquisa, v. 26, n. 1, p. 135-160, 2000.

ZWEIG, Stefan. Brasil, um país do futuro. São Paulo: L&PM Pocket, 2006 [1941].

Downloads

Publicado

13-01-2021

Como Citar

Frid, M., Corbo, W. ., & Aucar, B. (2021). Festa infantil no país do futuro: Consumo e ritualização do Dia das Crianças no Brasil . E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2308

Edição

Seção

Ahead of Print