Ella, John, Jeanne e Albert:

amor, envelhecimento, finitude, desvelo e (des)razão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2404

Palavras-chave:

Cinema, Produção de Significados, Envelhecimento, Velhices

Resumo

Este artigo focaliza a produção social de sentidos para o envelhecimento com base nos modos como o cinema atual apresenta as pessoas mais velhas. Examinando dois filmes de ampla circulação, refletimos sobre preceitos, convenções e pressupostos em relação ao lugar dos idosos na sociedade. Estereótipos derrogatórios e preconceitos são reafirmados ou confrontados nestas tramas. Analisar as representações do envelhecimento acionadas pela indústria do entretenimento implica destacar o papel do simbólico na experiência vivida e argumentar pela responsabilidade social da comunicação na promoção de formas mais respeitosas e solidárias de viver e atuar no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisela Grangeiro da Silva Castro, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro, pós-doutorado em Sociologia no Goldsmiths College, University of London. Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo. Coordena o GRUSCCO – Grupo ESPM/CNPq de Pesquisa em Subjetividade, Comunicação e Consumo.

Ricardo Zagallo Camargo, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo. Docente do Programa de Mestrado Profissional em Comportamento do Consumidor (MPCC) da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), São Paulo. Desde 2019 é Editor-Chefe do International Journal of Business & Marketing, periódico associado ao MPCC-ESPM.

Kareen Regina Terenzzo, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos Feministas da Universidade de Coimbra. Integrante do Grupo ESPM/CNPq de Pesquisa em Subjetividade, Comunicação e Consumo (GRUSCCO).

Referências

AUGÉ, M. El tiempo sin edad: etnología de sí mismo. Buenos Aires: Adriana Hidalgo ed., 2016.

CALASSANTI, T. SLEVIN, K. F. (Eds.) Age matters: realigning feminist thinking. N. York: Routledge, 2006.

CASACA, S.; BOULD , S. Género, idade e mercado de trabalho. In: CASACA, S. F. (Coord.) Mudanças laborais e relações de género: novos vetores de desigualdade. Lisboa: Fundação Económicas/Almedina, 2012, p. 87-132.

CASTRO, G. G. S. Velho é o seu preconceito: comunicação e consumo em tempos de longevidade. Revista da ESPM, São Paulo, v. 4, 2018, p. 56-80.

CASTRO, G. G. S. Precisamos discutir sobre o idadismo. Revista Mais 60: estudos sobre envelhecimento, São Paulo, v. 28, n. 67, 2017, p. 38-55.

CASTRO, G. G. S. O idadismo como viés cultural: refletindo sobre a produção de sentidos para a velhice em nossos dias. Galáxia, São Paulo, Online, n. 31, 2016, p. 79-91.

DEBERT, G. G. A reprivatização do envelhecimento nas imagens da mídia. In: CASTRO, G. G. S.; HOFF, T. (Orgs.). Comunicação, consumo e envelhecimento no contemporâneo: perspectivas multidisciplinares. Porto Alegre: Sulina, 2018, p. 75-93.

DEBERT, G. G. Gênero e envelhecimento. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v. 2, n. 3, p. 33,1994.

FEATHERSTONE, M. A velhice e o envelhecimento na pós-modernidade. A Terceira Idade. São Paulo, v. 10, n. 14, setembro 1998.

FREIXAS, A.; LUQUE, B.; REINA, A. Critical feminist gerontology in the back room of research. Journal of Women & Aging, n. 24, 2012, p. 44-58.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MORIN, E. O Método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2012.

PY, L. Significados da velhice e a busca de sentido para a finitude. In: CASTRO, G. G. S.; HOFF, T. (Orgs.). Comunicação, consumo e envelhecimento no contemporâneo: perspectivas multidisciplinares. Porto Alegre: Sulina, 2018, p. 131-138.

______. Finitude e o sentido da vida. Café Filosófico CPFL (vídeo). 16 jul. 2017.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2007.

______. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

TWIGG, J.; MAJIMA, S. Consumption and the constitution of age: expenditure patterns on clothing, hair and cosmetics among post-war ‘baby boomers’. Journal of Aging Studies, n. 30, 2014, p. 23–32. DOI: 0.1016/j.jaging.2014.03.003

Imagem em movimento

ELLA & John. Direção: Paolo Virzi. Distribuição: Sony Pictures. Itália/EUA, 2017. Filme longa metragem (1h53min). Título original: The Leisure Seeker. Legenda.

E se vivêssemos todos juntos? Direção: Stéphane Robelin. Distribuição: Imovision. França/Alemanha, 2010. Filme longa metragem (1h36min). Título original: Et si on vivait tous ensemble? Legenda.

Downloads

Publicado

23-08-2021

Como Citar

Grangeiro da Silva Castro, G., Zagallo Camargo, R., & Regina Terenzzo, K. (2021). Ella, John, Jeanne e Albert:: amor, envelhecimento, finitude, desvelo e (des)razão. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2404

Edição

Seção

Ahead of Print