Coronelismo eletrônico não é uma metáfora

Categorização da radiodifusão brasileira

Autores

  • Janaine Aires Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6551-5297
  • Suzy dos Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2621

Palavras-chave:

Coronelismo-eletrônico., Políticas de Comunicação., Economia Política da Comunicação.

Resumo

O coronelismo eletrônico designa um tipo de sistema alicerçado em compromissos recíprocos e de mútua-dependência entre a mídia e a política. Este artigo discute imprecisões e divergências conceituais a partir de duas questões centrais: “O coronelismo eletrônico é uma questão regional?” e “Qual a principal mercadoria do sistema de coronelismo eletrônico?”. Elabora-se ainda uma categorização dos atores que articulam este sistema, que se subdividem em: proprietários de sistemas midiáticos, famílias governamentais, lideranças personalistas e comunicadores-políticos. Por fim, como resultado, o artigo apresenta um quadro comparativo entre os seus diferentes tipos de capital político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaine Aires, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil

Professora do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Líder do Grupo de Pesquisa em Economia Política do Audiovisual - EPA/UFRN.

Suzy dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Doutora em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Líder do Grupo de Pesquisa em Políticas e Economia da Informação e da Comunicação - Peic/UFRJ.

Referências

AMARAL, Clarissa Maria de Azevedo. Controle e Uso da Informação: estratégia de poder e dominação do grupo liderado por Antônio Carlos Magalhães (1985-2006). Dissertação. Universidade Federal da Bahia. Instituto de ciência da informação – Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Salvador. 266 f. 2007.

ARRUDA, César Viega. “Coronelismo Eletrônico?” – a construção política do Grupo Sarney e o uso do aparelhamento da mídia no Maranhão. Ciências Humanas em Revista, v.5,

número especial. São Luís: jun, 2007.

BARROS, Janaina Visibeli. Conglomerados midiáticos regionais: os meios de comunicação como meios de produção na territorialização do capital. 206f. Tese (doutorado) Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação – Escola de Comunicação e Artes. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2019.

BOLAÑO, César. Qual a lógica das Políticas de Comunicação? São Paulo: Paulus, 2007.

______________. Indústria Cultural: informação e capitalismo. São Paulo: Hucitec, 2000.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2008.

CAPPARELLI, Sérgio. Das políticas de comunicação à comunicação política (e vice-versa). In: Anais do Colóquio Brasil Itália de Ciências da Comunicação, ano 1, 1997.

CARDOSO, Lais Cristine Ferreira; VELOSO, Ana Maria da Conceição; VASCONCELOS, Fabíola Mendonça. Um olhar sobre os traços históricos do coronelismo eletrônico em Pernambuco. Eptic On-Line (UFS), v. 18, p. 169-196, 2016.

CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: uma discussão conceitual. In: Pontos e Bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

CASTRO, João Caldeira Brant Monteiro de. A atuação das empresas de televisão como grupo de interesse: estratégias e táticas de pressão no caso da política de classificação indicativa. 2018. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018;

HARVEY, David. Spaces of global capitalism: towards a theory of uneven geographical development. London: Verso, 2006.

JAMBEIRO, Othon. A tv no Brasil do século XX. Salvador: Edufba, 2001.

LARANGEIRA, Álvaro Nunes. O compadrio na formação das capitanias hereditárias da mídia brasileira. E-compós – Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. Brasília: v. 12 , n. 3, set/dez, 2009.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, Enxada e Voto – o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Editora Alfa-ômega, 1975.

MENDONÇA, Fabíola; REBOUÇAS, Edgard. Oligarquia, coronelismo e coronelismo eletrônico: a radiodifusão como arma para manutenção e ampliação do poder. In: XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Curitiba - PR. São Paulo - SP: Ed. INTERCOM, 2009.

MORAES, Renato Ferreira de. Assistencialismo e espetáculo na TV do RN: afetos encenados no discurso de Carlos Alberto de Sousa. 161f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia. Natal, RN, 2019.

MURDOCK, Graham. Redrawing the Map of the Communications Industries: Concentration and Ownership in the Era of Privatization. In: GOLDING, Peter; MURDOCK, Graham. The Political Economy of the media. Vol I. Cheltenham: Edward Elgar Publising Limited, 1997.

PIERANTI, Octavio. A Radiodifusão e os Coronéis da Mídia: uma Discussão Conceitual Acerca do “Coronelismo Eletrônico”. Eco-Pós (UFRJ), v. 11, p. 128-145, 2008.

PINTO, Pâmela Araújo. Brasil e as suas mídias regionais: estudos sobre as regiões Norte e Sul. Rio de Janeiro: Multifoco, 2017.

STADNIK, Célia. A hipótese de ‘Coronelismo Eletrônico’ e as ligações dos parlamentares federais e governadores com os meios de comunicação de massas no Brasil. Monografia. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 48 f. 1991.

Downloads

Publicado

23-11-2022

Como Citar

Aires, J., & dos Santos, S. (2022). Coronelismo eletrônico não é uma metáfora: Categorização da radiodifusão brasileira. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2621

Edição

Seção

Ahead of Print