A paródia de notícias como jornalismo conotativo

Proposta de um conceito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2622

Palavras-chave:

jornalismo conotativo, humor, paródia, fake news, conotação

Resumo

As paródias de notícias, manifestação tradicional de humor no jornalismo, tornaram-se muito populares nas redes sociais, podendo se confundir com as chamadas fake news. Buscando um caminho para uma distinção entre essas duas manifestações, partimos da análise de exemplos históricos de paródias publicadas no jornal alternativo O Pasquim na década de 1970 e exemplos recentes de paródias veiculadas no site de humor O Sensacionalista entre 2018 e 2020, para identificar elementos do que propomos classificar como jornalismo conotativo, um jornalismo que não se destina a uma leitura literal e critica, por meio do humor, os procedimentos do próprio jornalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ismar Petrola, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutor em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2021), na Área de concentração Interfaces Sociais da Comunicação.

Referências

ALAVARCE, Camila. A ironia e suas refrações: um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

ALLCOTT, Hunt e GENTZKOW, Matthew. Social media and fake news in the 2016 election. Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 2, p. 211-236, primavera 2017, Disponível em https://pubs.aeaweb.org/doi/pdfplus/10.1257/jep.31.2.211. Acesso em 04 fev. 2022.

ASSIS, Francisco de; MARQUES DE MELO, José (Orgs.). Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: UMESP, 2010.

BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. Trad. Izidoro Blikstein. 16. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

BUCCI, Eugenio. A superindústria do imaginário: como o capital transformou o olhar em trabalho e se apropriou de tudo que é visível. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

CARMELINO, Ana Cristina e SILVEIRA, Karine. O Acre não existe? Nas desnotícias, não. Ling. (dis)curso, v. 16, n. 3, Tubarão (SC), set./dez. 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1982-4017-160304-1216>. Acesso em 24 jan. 2022.

CASADEI, Eliza Bachega; PAGANOTTI, Ivan. Convenções do estilo jornalístico em proto-fake news: entre padronizações, réplicas, emulações, paródias e fraudes. In: SOARES, Rosana de Lima; GOMES, Mayra Rodrigues. Narrativas midiáticas: crítica das representações e mediações. São Paulo: ECA-USP, 2020, p. 256-281.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Sotaques d’aquém e d’além mar: travessias para uma nova teoria de gêneros jornalísticos. São Paulo: Summus, 2008.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. Trad. Angela M. S. Correa. 2. ed., 2a. reimpressão. São Paulo: Contexto, 2013.

EAGLETON, Terry. Humor: o papel fundamental do riso na cultura. Trad. Alessandra Borrunquer. 1. ed. Rio de Janeiro: Record, 2020.

EDITORIAL: A morte de Pio XII. O Pasquim. Rio de Janeiro, ed. 290, 21 jan. 1975, p. 2.

FALCÃO, Carlysângela Silva. O infotenimento jornalístico em rede: reconfigurações e desafios do jornalismo contemporâneo. 2017. 214 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2017. Disponível em https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/25340. Acesso em 11 jul. 2022.

GERSON, Deborah Cattani. Afinal, o que é pseudonotícia? Um estudo sobre o The i-Piauí Herald, o Sensacionalista e o Laranjas News. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: PUC-RS, 2014.

GERSON, Deborah Cattani; DORNELLES, Beatriz. The i-Piauí Herald e o caso Cachoeira: um estudo sobre falso noticiário. Culturas Midiáticas, v. 5, n. 2, 2012.

GOMES, Laura Rosa. Rir para não chorar: o riso nas notícias do Sensacionalista referentes aos processos de votação do impeachment de Dilma Rousseff. 2018. 110 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação Social, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018. Disponível em https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/8632. Acesso em 11 jul. 2022.

HADDAD VAI a restaurante e consulta Lula para decidir entre carne bem passada ou mal passada. O Sensacionalista, 13 set. 2018. Disponível em: https://www.sensacionalista.com.br/2018/09/13/haddad-vai-a-restaurante-e-consulta-lula-para-decidir-entre-carne-bem-passada-ou-mal-passada/. Acesso em 18 out. 2020.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. Trad. J. Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 1975.

JÁCOME, Phellipy Pereira. Qual o papel das notícias simuladas? Jornalismo normativo através das narrativas críticas da revista Barcelona e The Daily Show. Revista Brazilian Journalism Research, v. 12, n. 2, 2016, p. 188-211.

JORGE FILHO, José Ismar Petrola. Da imprensa alternativa às redes sociais: uma análise comparativa entre notícias ficcionais no Pasquim e no Sensacionalista. 2021. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021.

MELO, José Marques de. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1985.

LESSA, Ivan. JFK. O Pasquim, Rio de Janeiro, 2 de janeiro de 1976, ed. 340, p. 30.

LULA JÁ está preso na Austrália. O Sensacionalista, 24 jan. 2018. Disponível em: https://www.sensacionalista.com.br/2018/01/24/lula-ja-esta-preso-na-australia-2/. Acesso em: 18 out. 2020.

MULHERES RUSSAS fazem curso de português para poder sair na rua. O Sensacionalista, 21/06/2018. Disponível em: https://www.sensacionalista.com.br/2018/06/21/mulheres-russas-fazem-curso-de-portugues-para-poder-sair-na-rua/ . Acesso em 18 out. 2020.

PADILHA, Conrado Valle de Queiroz. O conceito de “mito” na obra de Roland Barthes: desdobramentos e atualidade. 2014. 70 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em https://tedeantiga.pucsp.br/handle/handle/4643. Acesso em 11 jul. 2022.

PASQUIM-DOCUMENTO revela: O carioca não vê a mulher como um objeto sexual. O Pasquim. Rio de Janeiro, ed. 350, 12 de março de 1976, p. 8.

PASQUIM ENTREVISTA a amante brasileira de Kennedy. O Pasquim. Rio de Janeiro, ed. 340, 2 de janeiro de 1976, p. 16.

REPORTAGEM TAVARES Internacional. Entrevista exclusiva com os distúrbios no Irã. O Pasquim. Rio de Janeiro. Ed. 490, 17 de novembro de 1978, p. 2.

RISSO, Carla de Araújo. Liberdade de Expressão, Fake News e Discurso de Ódio – uma reflexão. Texto apresentado ao 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Salvador (BA): Intercom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2020.

SALIBA, Elias Thomé. A crônica urbana de São Paulo pela luneta invertida do historiador (1910-1922). Tempos históricos. Volume 20, 2016, p. 31-46.

SCHNAIDERMAN, Boris. Paródia e “mundo do riso”. Literatura e Sociedade, n. 26, p. 143-49, 2018.

TANDOC JR., Edson C.; LIM, Zheng Wei; LING, Richard. Defining ‘Fake News’ - A typology of scholarly definitions. Digital Journalism, Abingdon, v. 6, n. 2, p. 137-153, ago. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1080/21670811.2017.1360143. Acesso em 26 jan. 2022.

TAVARES, Edélsio. Horóscopro. O Pasquim. Rio de Janeiro, ed.212, 24 de julho de 1973, p. 11.

VATICANO INVESTIGA ressurreição de Beatriz Segall em fake news. O Sensacionalista, 14/10/2018. Disponível em: https://www.sensacionalista.com.br/2018/10/14/vaticano-investiga-ressurreicao-de-beatriz-segall-em-fake-news/. Acesso em 18 out. 2020.

WARDLE, Claire; DERAKHSHAN, Hossein. Information disorder: toward an interdisciplinary framework for research and policy making. Council of Europe: Strasbourg, 2017.

Downloads

Publicado

20-07-2022

Como Citar

Petrola, J. I. (2022). A paródia de notícias como jornalismo conotativo: Proposta de um conceito. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2622

Edição

Seção

Ahead of Print