Um estudo sobre o humor como estrutura de dominação nas falas de Bolsonaro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2676

Palavras-chave:

Comunicação Política, Análise do Discurso, Humor, Racismo

Resumo

Em ao menos quatro ocasiões (uma live, dois encontros com apoiadores e uma palestra), Bolsonaro utilizou o termo arrobas para se referir a pessoas negras, justificando ter sido uma piada. Entendemos que esse tipo de humor agressivo e hostil contra determinados grupos tem sido utilizado como estratégia discursiva por atores políticos reacionários para afirmarem uma posição de dominação social. Em vista disso, esse artigo buscou analisar os discursos de Bolsonaro nas quatro ocasiões citadas. A partir do método sociocognitivo de Van Dijk, foi possível avaliar relações de poder e construções cognitivas presentes nas falas selecionadas, ao mesmo tempo, demonstrou-se como o humor pode ser utilizado como ferramenta de propagação ideológica e de dominação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Kei Namise, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Política da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela mesma instituição. Integrante do Grupo de Pesquisa Comunicação e Participação Política (Compa).

Carla Cândida Rizzotto, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Integrante do Grupo de Pesquisa Comunicação e Participação Política (Compa).

Referências

ARAUJO, Camilla Lima de. Racismo e humor: o impacto de piadas nas expressões de racismo. 2016. 132 f. Dissertação (Pós-Graduação em Psicologia Social) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2016.

BARTHES, R. Mitologias. Rio de Janeiro: DIFEL, Brasil, 2019.

BENNETT, W. L. When politics becomes play. Political Behavior, v. 1, n. 4, p. 331-359, 1979.

BILLIG, Michael. Humour and Hatred: The Racist Jokes of the Ku Klux Klan. Discourse & Society, n. 12, p. 267-289, 2001. DOI: 10.1177/0957926501012003001.

CARVALHO, Anabela. Opções metodológicas em análise de discurso: instrumentos, pressupostos e implicações. Comunicação e Sociedade 2, Cadernos do Noroeste: Série Comunicação, v. 14 (1-2), 2000, p. 143-156.

CAPPELOTTI, João Paulo. O humor e os limites da liberdade de expressão: teoria e jurisprudência. São Paulo: Editora Dialética, 2022.

CHAGAS, Viktor. Meu malvado favorito: os memes bolsonaristas de WhatsApp e os acontecimentos políticos no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro [online], v. 34, n. 72, p. 169-196, 2021.

______. Dolce farmeme: a retórica da brincadeira política. Trabalho apresentado no GT de Comunicação e Política da Compós 2020. Anais..., Campo Grande, Compós, 2020a.

______. Making amends with memes. Commonplace. 2020b. Disponível em: https://doi.org/10.21428/6ffd8432.ac155a53. Acesso em: 22 nov. 2022.

CHAGAS, V.; FONSECA, V. Faster, higher, stronger: sports fan activism and mediatized political play in the Rio 2016 Games. Transformative Works and Culture, 32, 2020b.

COLEMAN, G. Phreaks, hackers, and trolls: the politics of transgression and spectacle. In: MANDIBERG, M. The social media reader. New York: NYU Press, 2012.

CONVERSE, Philip. 1964. The Nature of Belief Systems in Mass Publics. In: Ideology and Discontent, ed. David Apter, p. 206-61. New York: Free Press.

DAVIES, C. Jokes and their relation to society. Berlim: Mouton de Gruyter, 1998.

DE OLIVEIRA, Bruna Silveira; MAIA, Rousiley Celi Moreira. REDES BOLSONARISTAS: ataque ao politicamente correto e conexões com o populismo autoritário. Confluências, v. 22, n. 3, 2020, p. 83-144.

FAUSTO, Boris. História do brasil. 14. ed. Atual e ampl., 3. Reimpr. São Paulo: Editora da Universidade São Paulo, 2019.

FIGUEIREDO, C. Porque rimos: um estudo do funcionamento do humor na publicidade. Comunicação & Sociedade, v. 33, n. 57, p. 171-198, jan./jun. 2012.

FRAGOSO, Suely. "HUEHUEHUE eu sou BR": spam, trollagem e griefing nos jogos online. Revista Famecos, Rio Grande do Sul, v. 22, n. 3, 2015.

FREUD, Sigmund. O chiste e sua relação com o inconsciente. 1905. Tradução: Fernando Costa Mattos, Paulo César de Souza. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

GHERMAN, Michel e KLEIN, Misha. Entre ‘conversos’ e ‘desconversos’: o caso da influência da Nova Direita Brasileira sobre a comunidade judaica do Rio de Janeiro. Revista de Estudios Sociales del Estado, v. 5, n. 9, jan-jun 2019, p. 101-123.

GRUDA, Mateus Pranzetti. O controverso discurso do politicamente correto: algumas considerações e desdobramentos. Revista Brasileira de Psicologia, v. 1, n. 2, Salvador, Bahia, 2014.

MARTINS, André Ricardo Nunes. Racismo no debate da imprensa sobre a política de cotas para negros. Discurso & Sociedad, v. 6, n. 2, p. 389-417, 2012.

MENNA BARRETO, Ricardo de Macedo; FERRAZ, Helena Mascarenhas. Comunidades quilombolas, racismo e ideologia no discurso de Jair Bolsonaro: estudo crítico dos discursos político e judicial. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 10, n. 2 p. 699-722, 2020.

MINOIS, G. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

MOREIRA, Adilson. O que é racismo recreativo. Coleção Feminismos Plurais. São Paulo, Editora Jandaira, 2020.

MUNANGA, Kabengele. Teoria social e relações raciais no Brasil contemporâneo. Cadernos Penesb, Niterói, n. 12, p. 169-203, 2010. Disponível em: biblio.fflch.usp.br/Munanga_K_TeoriaSocialERelacoesRaciaisNoBrasilContemporaneo.pdf.

NADER, Leo. Repensando a postura da esquerda na criação do ‘mito’ Bolsonaro. Justificando, 8 ago. 2018. Disponível em: http://www.justificando.com/2018/08/01/repensando-a-postura-da-esquerda-na-criacao-do-mito-bolsonaro/. Acesso em: 19 maio 2020.

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

NUNES, Rodrigo. Inspirado nos EUA, Bolsonaro adota tática de troll: testar limites para ganhar visibilidade, diz filósofo. [Entrevista concedida a] Giuliana Vallone. BBC News Brasil, São Paulo, 22 fev. 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-51511316. Acesso em: 19 maio 2020.

NUNES, S. S. Racismo contra negros: um estudo sobre o preconceito sutil. 2010. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade São Paulo, São Paulo, 2010. DOI: 10.11606/T.47.2010.tde-27072010-082636.

PEREIRA, A. S; SILVA, G; TEIXEIRA, L. M; PEREIRA, R. S. Discurso. In: IRINEU, Lucineudo Machado; et al (Org.). Análise de Discurso Crítica: Conceitos-Chave. Campinas: Pontes Editores, 2020.

PERELMAN, Chaïm. Lógica jurídica. Tradução Vergínia K. Pupi. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

PETERS, Gabriel. Trollar até a morte: a persistência do bolsonarismo nos tempos do Corona. Rádio Paulo Freire, 2020. Disponível em: https://sites.ufpe.br/rpf/2020/04/13/trollar-ate-a-morte-a-persistencia-do-bolsonarismo-nos-tempos-do-corona/. Acesso em: 19 maio 2022.

PHILLIPS, W. This is why I can’t have nice things. Cambridge: MIT Press, 2015.

______. It Wasn’t Just the Trolls: Early Internet Culture, “Fun,” and the Fires of Exclusionary Laughter. Social Media + Society, n. 5, 2019.

PHILLIPS, W.; MILNER, R. The ambivalent internet. Cambridge: Polity Press, 2017.

POSSENTI, Sírio. Humor, língua e discurso. São Paulo: Margem da Palavra, 2021.

ROCHA, Camila; SOLANO, Esther. Bolsonarismo em crise?. Friedrich-Ebert-Stiftung Brasil, jun. 2020. Disponível em: http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/16277.pdf. Acesso em: 22 nov. 2022.

ROMANO, Aja. How the alt-right uses internet-trolling to confuse you into dismissing its ideology. Vox, 11 jan. 2017. Disponível em: https://www.vox.com/2016/11/23/13659634/alt-right-trolling. Acesso em: 20 maio 2022.

SANTANA, Gabriel, LEAL, Maria Virgínia. Análise do discurso politicamente incorreto na atual mídia humorística televisiva brasileira: o caso de entrevistas feitas por Danilo Gentili. Domínios de Lingu@agem, Uberlândia, v. 13, n. 1, 2019.

SANTOS, J. G. F. A discriminação Racial e de Gênero no Mercado de Trabalho de Alagoas. 2019. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Econômicas) – Universidade Federal de Alagoas, Campus Sertão, Santana do Ipanema, 2019.

SHAFER, J. 'Donald Trump's "political incorrectness": Neoliberalism as frontstage racism on social media.' Social Media + Society [online], 2017. DOI: 10.1177/2056305117733226.

SILVA JÚNIOR, Antonio Soares; PINHEIRO, Gustavo Cândido; NASCIMENTO, Iara de Souza. IDEOLOGIA. In: IRINEU, Lucineudo Machado et al. (Org.). Análise de Discurso Crítica: Conceitos-Chave. Campinas: Pontes Editores, 2020.

TAJFEL, H. Human Groups and Social Categories. Studies in Social Psychology. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

TAJFEL, H; TURNER, J.. “An Integrative Theory of Intergroup Conflict.” In The Social Psychology of Intergroup Relations, edited by William G. Austin and Stephen Worchel, p. 33-47. Monterey, CA: Brooks/Cole, 1979.

VAN DIJK, T. A. Discurso y racismo. Traducción: Christian Berger. Persona y Sociedad, Instituto Latinoamericano de doctrina y estudios sociales, v. 15, n. 3, p. 191-205, 2002. Disponível em: http://www.discursos.org/oldarticles/Discurso%20y%20racismo.pdf. Acesso em: 22 nov. 2022.

______. Discurso, Notícia e Ideologia. Porto: Campo das Letras, 2005.

______. Discurso e contexto: uma abordagem sociocognitiva. Trad. Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2012.

______. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2018.

VIVEIROS, D. C. S. O discurso do politicamente correto “custe o que custar” (CQC)?. Trabalho apresentado no IV Congresso ibero-americano de política e administração da educação / VII Congresso luso brasileiro de política e administração da educação. Porto, 14 a 16 de abril de 2014 - Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto.

WEAVER, S. Jokes, rhetoric and embodied racism: a rhetorical discourse analysis of the logics of racist jokes on the internet. Ethnicities, v. 11, n. 4, 2011.

WILKINS, J. Abusive Criticism and the Criticism of Abuse. In: CAMERON, Keith (ed.). Humour and History. Oxford: Intellect Books, 1993. p. 41-55.

WOLFF, H. A.; SMITH, C. E.; MURRAY, H. A. The psychology of humor: a study of responses to race-disparagement jokes. Journal of Abnormal and Social Psychology, v. 28, p. 341-365, 1934.

Downloads

Publicado

23-11-2022

Como Citar

Namise, D. K., & Rizzotto, C. C. (2022). Um estudo sobre o humor como estrutura de dominação nas falas de Bolsonaro. E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2676

Edição

Seção

Ahead of Print