Sujeito e demiurgia no gesto fotográfico

  • Ana Taís Martins Portanova Barros
Palavras-chave: Fotografia, Sujeito, Criatividade.

Resumo

A partir de enunciados que dão pistas a propósito da criatividade e da subjetividade na produção teórica brasileira sobre fotografia, discute-se a noção de sujeito que aí se apresenta, confrontando-a com aquela derivada das teorias contemporâneas que sustentam o estilhaçamento da identidade. A conclusão de que o subjetivismo nega a criatividade por causa de seu binarismo leva-nos a buscar, junto a Heidegger e a Wunenburger, conceitos que possam viabilizar o equacionamento da ideia de um sujeito instável com a da criação. Reconhece-se um obstáculo antropológico – e não epistemológico − oferecido pela constante que redunda ora no pensamento esquizomorfo ora no pensamento gliscomórfico, consubstanciado simultaneamente na afirmação da soberania arrogante sobre e na integração alienada à (imagem) técnica. Conclui-se pela necessidade de uma saída bifurcada através da coincidentia oppositorum que faz de um terceiro elemento o ponto de sustentação e justificação do que inicialmente foi um binarismo, restituindo a demiurgia possível ao sujeito multiplicável.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
30-01-2012
Como Citar
Barros, A. T. M. P. (2012). Sujeito e demiurgia no gesto fotográfico. E-Compós, 14(2). https://doi.org/10.30962/ec.626
Seção
Dossiê Temático