Construindo espaços fluidos

a potência narrativa da incerteza nas análises de jornalismo

Palavras-chave: Jornalismo. Narrativa. (In)certeza.

Resumo

Neste artigo, refletimos sobre o jornalismo e a necessidade de se reformular as relações deste com suas próprias narrativas de certeza. Traçamos um caminho pelos estudos de jornalismo e os de narrativa, trazendo o exemplo sobre as manchas de óleo que apareceram nas praias do litoral do nordeste brasileiro, em 2019. Essas narrativas de incerteza e imprecisão constroem espaços fluidos nos quais pensamos o lugar de privilégio que o jornalismo – mediador e narrador do mundo – construiu para si, e o quanto os que se dedicam a analisar suas narrativas também precisam repensar esses caminhos de idealizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clara Câmara, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense. Bolsista de Pós-Doutorado - Capes Brasil - Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação.

André Bonsanto , Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil

Doutor em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense. Bolsista de Pós-Doutorado (PNPD/Capes) e professor colaborador no Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais e Humanas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN.

Referências

ALBUQUERQUE, Afonso. A narrativa jornalística para além dos faits-divers. Lumina, Juiz de Fora, v. 3, n. 2, p. 69-91, jul/dez. 2000. Disponível em: http://www.ufjf.br/facom/files/2013/03/R5-Afonso-HP.pdf Acesso em: 06 jan. 2020.

AMORIM, Felipe. Defesa contradiz Bolsonaro sobre óleo e diz não saber se pior está por vir. UOL. Brasília, 4 de novembro de 2019. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2019/11/04/nao-sabemos-quanto-oleo-ainda-pode-chegar-as-praias-diz-ministro-da-defesa.htm. Acesso em: 12 dez. 2019.

ARENDT, Hannah. Compreender: formação, exílio e totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

______. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2009.

AZEVEDO, Ana Lucia; JOHANNS, Eller. Marinha e Ibama negam mancha de óleo de 200 km, mas UFRJ mantém alerta. O Globo. Rio de Janeiro, 30 de outubro de 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/oleo/marinha-ibama-negam-mancha-de-oleo-de-200km-mas-ufrj-mantem-alerta-24050026. Acesso em: 15 dez. 2019.

BARBOSA, Mariana (Org). Pós-verdade e fake news: reflexões sobre a guerra de narrativas. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

BARTHES, Roland (e outros). Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 1971.

BENNETI, Marcia. HAGEN, Sean. Jornalismo e imagem de si: o discurso institucional das revistas semanais. Estudos em Jornalismo e Mídia, ano VII, nº 1, jan-jun. 2010.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 23ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

BIRD, Elizabeth: DARDENNE, Robert. Mito, registro e “estórias”: explorando as qualidades narrativas das notícias. ln: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e "estórias". 2. ed. Lisboa: Vega, 1993.

BONSANTO, André. A verdade dita é dura: “histórias da verdade” do/no jornalismo e a ditadura militar no Brasil. Tese de doutorado em Comunicação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

BRUCK, Mozahir Salomão; SANTOS, Bruno Raquel de Oliveira. O fazer jornalístico e o enfrentamento de cenários complexos inaugurais. Estudos em Jornalismo e Mídia Vol. 11 Nº 2 Julho a Dezembro de 2014, p. 569-583.

CÂMARA, Clara Bezerril. A “mentalidade escândalo”: uma análise das narrativas de malfeitos a partir das polarizações suscitadas no jornalismo brasileiro. Tesede doutorado em Comunicação, Universidade Federal Fluminense, 2019.

CARDIM, Maria Eduarda; TEÓFILO, Sarah. Vazamento de óleo em praias do Nordeste ainda é mistério para autoridades. Correio Braziliense. Brasília, 20 de fevereiro de 2020. Disponível em: <https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2020/02/20/interna-brasil,829204/vazamento-de-oleo-em-praias-do-nordeste-ainda-e-misterio-para-autorida.shtml>. Acesso em: 20 set. 2020.

CARR, Edward Hallet. Que é história? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

CHRISTOFOLETTI, Rogério. O jornalismo entre a dúvida e a incerteza: reflexões sobre a natureza da atividade. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, PósCom-Metodista, a. 29, n. 50, p. 203-221, 2. sem. 2008.

CORNU, Daniel. Jornalismo e verdade: para uma ética da informação. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

D’ANCONA, M. Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news. Barueri, SP: Faro Editorial, 2018.

FABRINI, Fábio; CHAIB, Julia. Volume de óleo nas praias do nordeste diminuiu, diz Marinha”. Folha de S. Paulo. Brasília, 26 de outubro de 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/10/volume-de-oleo-nas-praias-do-nordeste-diminuiu-diz-marinha.shtml Acesso em: 10 dez. 2019.

FILGUEIRAS, Isabel (et al.) Jornalismo em tempos de pós-verdade. Fortaleza, CE: Dummar, 2018.

FOLHA DE S. PAULO. Não se sabe se poluição com óleo em praias está perto do fim, diz ministro da Defesa. Folha de S. Paulo. Brasília, 29 de outubro de 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/10/nao-se-sabe-se-poluicao-com-oleo-em-praias-esta-perto-do-fim-diz-ministro-da-defesa.shtml. Acesso em: 10 dec. 2019.

FRANÇA, V. O acontecimento e a mídia. Galáxia (São Paulo, Online), n. 24, p. 10-21, dez. 2012.

FRIAS FILHO, Otavio. O que é falso sobre fake news. Revista USP, São Paulo, nº 116, p. 39-44, jan-fev-mar, 2018.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1989.

GOMES, Wilson. Jornalismo, fatos e interesses: ensaios de teoria do jornalismo. Série jornalismo a rigor. v. 1. Florianópolis: Insular, 2009.

GREIMAS, Algirdas Julien. Elementos para uma teoria da interpretação da narrativa mítica. In: BARTHES, Roland (e outros). Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 1971.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

JÁCOME, Phellipy Pereira. Jornalismo e autolegitimação: a historicidade dos discursos autorreferentes. Leituras do jornalismo. ano 1, nº 02, jul-dez. 2014.

JORNAL NACIONAL. Marinha conclui investigação sobre derramamento de óleo, mas não encontra culpado. Jornal Nacional, 27 de agosto de 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2020/08/27/marinha-conclui-investigacao-sobre-derramamento-de-oleo-mas-nao-encontra-culpado.ghtml>. Acesso em: 20 set. 2020.

KLAUTAU, Carolina Moura. Jornalismo, Incerteza e Complementaridade de Opostos: Um diálogo compreensivo (Dissertação de Mestrado) Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, 2018.

KÜNSCH, Dimas A. Comprehendo ergo sum: Epistemologia complexo-compreensiva e reportagem jornalística. Communicare, Vol. 5 – nº 1 – 1º semestre 2005, p. 43-54.

______. A comunicação, a explicação e a compreensão: ensaio de uma epistemologia compreensiva da comunicação. Líbero, Vol. 17, n. 34, jul/dez 2014, p. 111-122.

LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevistas e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro: Record, 2001.

LOPES, Fernanda Lima. Auto-referência, discurso e autoridade jornalística. BOCC – Biblioteca on-line de Ciências da Comunicação, Labcom, 2007.

LOPES, F.; RUÃO, T.; MARINHO, S.; ARAÚJO, R. E. coli: uma doença em notícia em discursos de incerteza e contradição. Observatorio Journal, vol.6 - nº1, 2012, 159-181.

MACHADO, Elias. O ciberespaço como fonte para os jornalistas. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, Universidade da Beira Interior, 2002. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/ machado-elias-ciberespaco-jornalistas.pdf>. Acesso: 21 set 2020.

MOTTA, Luiz Gonzaga. “Teoria da notícia: entre o real e o simbólico”. In: MOUILLAUD, Maurice; PORTO, Sérgio Dayrell (org.). O jornal: da forma ao sentido. Brasília: Paralelo 15, 1997.

______. Jornalismo e configuração narrativa da história do presente. Revista Contracampo, n. 12, p. 23-50, 2005.

______. Análise crítica da narrativa. Brasília: Editora UnB, 2013.

MORIN, Edgar. O Método: 1. a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina, 2002.

______. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NERONE, John. The journalism tradition. In: EADIE, William F. (ed.). 21st Century Communication: A Reference Handbook. Beverly Hills, CA: Sage, 2009.

______. The historical roots of the normative model of journalism. Journalism, vol. 14, n. 4, p. 446–458, 2012.

______. History, Journalism, and the Problem of Truth. In: BRENNEN, Bonnie (ed.) Assessing Evidence in a Postmodern World. Diederich Studies in Communication and Media, nº 3. Milwaukee, WI: Marquette University Press, 2013.

PETROBRÁS. Esclarecemos que o óleo encontrado em praias do Nordeste não é da Petrobrás. Petrobrás, 25 de setembro de 2019. Disponível em: http://www.petrobras.com.br/fatos-e-dados/esclarecemos-que-oleo-encontrado-em-praias-do-nordeste-nao-e-da-petrobras.htm. Acesso em: 12 dez. 2019.

PROPP, Vladimir. As raízes históricas do conto maravilhoso. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

QUÉRÉ, Louis. Entre facto e sentido: a dualidade do acontecimento. Trajectos. Revista de Comunicação, Cultura e Educação, Lisboa, n. 6, p. 59-75, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org. Editora 34, 2009.

RESENDE, Fernando. O olhar às avessas: a lógica do texto jornalístico. In: Anais do XIII Encontro da Compós – Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. São Bernardo do Campo, São Paulo 2004. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/biblioteca_668.pdf. Acesso em: 14 dez. 2019.

______. Jornalismo e suas Narrativas: as Brechas do Discurso e as Possibilidades do Encontro. Revista Galáxia, São Paulo, n. 18, p.31-43, dez. 2009.

______. Falar para as massas, falar com o outro: valores e desafios do jornalismo. In: FRANÇA, V; VAZ, P. (Orgs.) Comunicação midiática: instituições, valores, cultura. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

RICOEUR, Paul. História e verdade. Rio de Janeiro: Forense Editora, 1968.

______. Tempo e narrativa (Tomo I). Tradução: Marina Appenzeller. 1995.

SAFATLE, Vladimir. É racional parar de argumentar. In: DUNKER, Christian (e outros) Ética e pós-verdade. Porto Alegre: Dublinense, 2017.

SCHUDSON, Michael. The politics of narrative form: The emergence of news conventions in print and television. Daedalus, p. 97-112, 1982.

SCHWARCZ, Lilia. Apresentação: Imaginar é difícil (porém necessário). In: anderson, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SODRÉ, Muniz. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2006.

______. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

SPINELLI, Egle Müller; SANTOS, Jéssica de Almeida. Jornalismo na era da pós-verdade: fact-checking como ferramenta de combate às fake news. Revista Observatório, Palmas, v. 4, n. 3, mai. 2018.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1969.

TUCHMAN, Gaye. A objectvidade como ritual estratégico: uma análise das noções de objectividade dos jornalistas. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 1993.

VALADARES, João. Vazamento de óleo em refinaria de Pernambuco atinge manguezal. Folha de S. Paulo. Recife, 27 de agosto de 2019. Disponível em:

https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/08/vazamento-de-oleo-em-refinaria-de-pernambuco-atinge-manguezal.shtml. Acesso em: 14 dez. 2019.

VATTIMO, Gianni. Adeus à verdade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: Edusp, 1994.

ZELIZER, Barbie. When facts, truth, and reality are God‐terms: on journalism's uneasy place in cultural studies. Communication and Critical/Cultural Studies, v. 1, n. 1, p. 100-119, 2004.

Publicado
17-11-2020
Como Citar
Câmara, C., & Bonsanto , A. (2020). Construindo espaços fluidos: a potência narrativa da incerteza nas análises de jornalismo . E-Compós. https://doi.org/10.30962/ec.2189
Seção
Ahead of Print